skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
15 junho 2021
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Guimarães em Debate #03

Redação
Política \ sábado, maio 29, 2021
© Direitos reservados
Guimarães em Debate, terceira edição, coloca em discussão as questões do parque habitacional e de candidaturas eleitorais autárquicas no Guimarães em Debate.

A candidatura do Chega à Câmara Municipal de Guimarães a as questões ligadas à habitação no concelho dominaram a terceira edição do Guimarães em Debate.

Na ausência de Francisco Teixeira, coube a Raul Rocha trazer à discussão a candidatura de Adão Henrique Pizarro. O membro da concelhia vimaranense recordou que o candidato do Chega já foi candidato à concelhia do PSD e sai deste partido para liderar o Chega e que este era o “testa de ferro de Luís Cirilo” em anteriores lutas eleitorais.

Tiago Laranjeiro referiu que “era uma novidade” tal facto, pois desconhecia que Adão Pizarro já teria sido militante do PSD. Por sua vez, Mariana Silva referiu que essa candidatura não lhe “tirava o sono” e que não faria para dar publicidade a tal candidatura, recusando extrapolar o resultado desse partido na eleição presidencial para as autárquicas.

Tiago Laranjeiro lançou para cima da mesa a questão dos problemas habitacionais no concelho de Guimarães, tendo como ponto de partida o programa “1.º Direito”, apresentado a 21 de maio e que contempla 13 milhões de euros para eliminar “habitação indigna”, através de um protocolo de colaboração entre a Câmara e Ministério das Infraestruturas e Habitação.

Tiago Laranjeiro afirma que o executivo socialista esqueceu os compromissos assumidos com os vimaranenses nas últimas décadas e que despertou para o problema “na 25ª hora” da sua existência, com a colaboração do aparelho do estado, numa “intervenção nas eleições autárquicas”.

Por sua vez, Mariana Silva afirmou que a Câmara do PS “não tem uma política de habitação de Guimarães".

Raul Rocha defendeu o “direito social à habitação” e que as câmaras estão muito limitadas nesta questão. Recordou o programa que levou a uma construção por parte da Câmara, as construções ligadas à CASFIG, mas que estes programas, atualmente, estão entregues ao estado.

Mariana Silva, na parte final da terceira edição do Guimarães em Debate, sugeriu a Raul Rocha o livro de crónicas de Luísa Schmidt, “Portugal: Ambientes de Mudança — Erros, Mentiras e Conquistas”, que reúne as crónicas da secção “Qualidade Devida” do Expresso e faz um balanço crítico de 26 anos de políticas ambientais.

Por sua vez, Tiago Laranjeiro tinha uma sugestão a pensar em Francisco Teixeira, mas endereçou a Raul Rocha o “novo paradigma de vermos o dinheiro” dado pela revista Economist, através do trabalho “Govcoins: The digital currencies that will transform finance”, sobre as moedas digitais dos bancos centrais, onde a Suécia avançará com essa mudança para uma moeda cada vez mais digital.

Raul Rocha, em jeito de provocação, sugeriu a leitura da biografia de Mota Pinto a Tiago Laranjeiro e a autobiografia de Zita Zeabra a Mariana Silva.

Pode ver e ouvir o debate também no Youtube e no Spotify

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #04