skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
22 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Álvaro e um “penálti com interferência no jogo”: “Fomos a melhor equipa”

Redação
Desporto \ sábado, maio 11, 2024
© Direitos reservados
Treinador considera "injusta" a derrota frente ao Braga, dizendo que a sua equipa esteve por cima. Aponta o dedo à arbitragem.

Álvaro Pacheco considera que a sua equipa foi a “melhor” do dérbi minhoto deste sábado frente ao Sp. Braga, lamentando a derrota que chegou já no cair do pano. O treinador do Vitória SC salientou um penálti que ficou por assinalar como um lance determinante do jogo.

“O que podia ter sido diferente? O elemento que está no VAR marcar o penálti e a expulsão, que acaba por ser determinante. Aceito que o árbitro não tenha visto, mas quem está no VAR tem de ver um lance destes, quando estava 1-1, e chamar o árbitro”, começou por dizer.

Numa análise ao jogo, o técnico atirou que os bracarenses chegaram aos dois primeiros golos em transição. “Olhando para as duas partes penso que o Vitória foi a melhor equipa. Entrámos bem, nunca deixámos o Braga pegar no jogo, quando estávamos a ser audazes o Braga faz dois golos em transição. Vamos para o intervalo com um empate que era injusto. Na segunda parte, tirando os minutos iniciais, depois foi o Vitória a empurrar o Braga para trás; o Braga não conseguiu chegar em construção à nossa baliza, apenas em transição em perdas de bola nossas, tivemos de cometer erros ao arriscar. Há o lance do penálti, que tem uma interferência grande no jogo. Sofremos o segundo golo num lance em que a equipa quis marcar rápido a falta”, disse, na sala de imprensa.

Perdida a oportunidade de chegar ao quarto lugar, Álvaro Pacheco aponta ainda à meta dos 63 pontos. “Queríamos muito ganhar, queríamos muito dedicar esta vitória a esta massa associativa diferente, apaixonada pelo clube. Já não conseguimos chegar ao quarto lugar, mas ainda queremos fazer história neste clube», concluiu.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73