skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
25 julho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Assembleia de credores confirma venda da AAF à Domingos Almeida

Tiago Mendes Dias
Economia \ terça-feira, setembro 07, 2021
© Direitos reservados
Proposta foi aprovada com 99,85% de votos a favor pelos credores presentes no Tribunal de Guimarães.

Declarada insolvente pelo Tribunal Judicial de Guimarães a 14 de julho, a António de Almeida & Filhos, empresa têxtil de Moreira de Cónegos, foi vendida à Domingos Almeida, da freguesia vizinha de Lordelo, por 3,5 milhões de euros. A decisão foi aprovada na assembleia de credores decorrida nesta terça-feira, com 99,85% de votos a favor entre os credores presentes; apenas um credor votou contra, enquanto outros três abstiveram-se. Na sessão, participaram os detentores de 88,77% de todos os créditos.

A decisão seguiu a orientação do relatório do Administrador da Insolvência, Bruno Pereira, que classificou a oferta da Domingos Almeida como a “de maior valor económico”, face às restantes duas entregues até às 10h00 de 30 de agosto, o prazo-limite para a apresentação de propostas; a JF Almeida, de Moreira de Cónegos, entrou na corrida com três opções - 3,1 milhões de euros no imediato, 4,4 milhões a quatro anos ou 6,2 milhões de euros a seis anos, e a Mabera, de Mogege (Vila Nova de Famalicão), que ofereceu um euro.

O administrador da insolvência reconheceu que o processo se pode estender por mais três meses até à assinatura do contrato definitivo de compra e venda e vincou a necessidade de, nesse intervalo, iniciar a "gestão precária o mais rapidamente possível", para se garantir as matérias-primas utilizadas na produção e o pagamento dos salários de setembro.

Bruno Costa Pereira adiantou também que a Domingos Almeida vai constituir uma nova sociedade para gerir a António de Almeida & Filhos.

Fundada em 1956, a empresa de Moreira de Cónegos, com 207 trabalhadores, apresentou-se à insolvência a 09 de julho, com um passivo de 23,4 milhões de euros, repartido por 414 credores – o Novo Banco é credor de 39% desse passivo (9,2 milhões). A têxtil justificou, na altura, a decisão com a quebra de 46% na faturação entre 2019 e 2020, o que, na sua perspetiva, determinava a “impossibilidade” de se cumprirem as obrigações a “muito curto prazo”.

A António Almeida & Filhos é a última empresa do grupo Moretextile, que, em 2011, resultou da fusão entre a Coelima, a José Machado de Almeida (JMA) e a AAF, e cujo acionista principal é o Fundo de Recuperação gerido pela ECS Capital.

Também declarada insolvente, em abril passado, a Coelima (de Pevidém, Guimarães) foi vendida em junho à Mabera por 3,637 milhões de euros, enquanto a JMA Felpos (situada em São Martinho do Campo, Santo Tirso) foi comprada pela Felpinter por 3,97 milhões de euros.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73