skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
20 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Cada vez mais BIG, a ilustração dá palco às mulheres e a outros saberes

Tiago Mendes Dias
Cultura \ sábado, setembro 11, 2021
© Direitos reservados
Com um recorde de artistas e de obras em concurso ao Prémio Nacional, a terceira edição da bienal atribui o Prémio Carreira a Cristina Reis e acolhe, por exemplo, Sérgio Godinho numa palestra.

Quatro anos depois de ter nascido, a Bienal de Ilustração de Guimarães (BIG) apresenta-se para a terceira edição com o maior número de obras e de artistas alguma vez candidatos ao Prémio Nacional BIG: a organização do evento, a cargo da Câmara Municipal de Guimarães e da cooperativa Motor, selecionou 182 ilustrações de 65 autores para a exposição coletiva que vai decorrer entre este sábado e 31 de dezembro.

A partir desse lote, com trabalhos de autores como Cristina Sampaio – já ilustrou para o Público ou para o The Wall Street Journal – e João Fazenda – The New Yorker ou El País -, o júri vai atribuir o Grande Prémio BIG, no valor de cinco mil euros, o Prémio BIG Revelação, de mil euros, e cinco Prémios BIG Aquisição, de 500 euros. Os resultados vão ser conhecidos e os prémios entregues por volta das 17h00, aquando da inauguração da exposição. Para Rui Ramos, um dos organizadores, a bienal “caracteriza-se essencialmente por ter preocupações de dignificação do ilustrador”, reitera ao Jornal de Guimarães

“Há esta preocupação em centrar o trabalho e a programação nos artistas. Todos os artistas que participam nesta bienal ficam sensibilizados pela forma como são tratados e o seu trabalho é tratado”, acrescenta.

Já o Prémio Carreira, de 10 mil euros, vai ser entregue a Cristina Reis, pelos cartazes, cenários e figurinos que desenvolveu para o Teatro da Cornucópia, histórica companhia dirigida pelos encenadores Luís Miguel Cintra e Jorge Silva Melo, que esteve no ativo entre 1973 e 2016. Formada em pintura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa e ainda em arte e design gráfico, em Inglaterra, a artista “não tem um percurso mediático”, mas apresentou sempre “um processo de trabalho árduo e com qualidade”, frisa Rui Ramos. A obra da autora estará em exposição no Centro Internacional de Artes José de Guimarães (CIAJG) a partir de 23 de outubro.

A distinção é atribuída pela primeira vez a uma mulher, depois de Luís Filipe de Abreu ter sido galardoado na edição inaugural e Jorge Silva em 2019. A organização entendeu “oportuno afirmar” o papel da mulher nesta bienal, não só com o Prémio Carreira, mas também com uma reedição de Os Lusíadas em que os dez cantos são ilustrados por dez autoras e a “adaptação do texto ao português contemporâneo” é feito por Rita Marnoto, professora de literatura. O clássico é reeditado em “colaboração com a reitoria da Universidade do Minho e a editora Kalandraka”, especifica Rui Ramos. Essas ilustrações estarão expostas na Sociedade Martins Sarmento, também a partir de 23 de outubro.

Com inauguração prevista para a mesma data, a exposição Condições Adversas, de André Letria, autor do desenho do cartaz da BIG de 2019, estará patente no Centro para os Assuntos de Arte e Arquitetura.

 

 

Vários saberes enredados numa teia

Nesta BIG, a literatura, a música e até a biologia celular encontram-se com a ilustração e a banda desenhada no ciclo de palestras agendado para novembro e dezembro, intitulado “A teia da ilustração”. A 26 de novembro, a cidade-berço recebe Sara Figueiredo Costa, jornalista especializada na área cultural e crítica de banda desenhada e ilustração, para uma reflexão sobre a obra de Maria João Worm e de Isabel Baraona e os diálogos que se estabelecem entre texto e imagem. O ciclo prossegue a 10 de dezembro, com João Ramalho Santos, cientista no Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra e autor de textos sobre banda desenhada para o Jornal de Letras; nessa apresentação, o investigador vai explorar a relação entre ciência e arte. A última palestra, a 11 de dezembro, é protagonizada por Sérgio Godinho. Reconhecido cantautor, o artista vai contar as suas três aventuras pela ilustração, mundo com o qual contacta desde criança.

A terceira edição da BIG conta ainda com oficinas de ilustração, desenvolvidas em parceria com as escolas do concelho, adianta Rui Ramos.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73