skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
27 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

CCVF propõe viagem por sons de Cabo Verde e de Angola sem deixar a Manta

Redação
Cultura \ segunda-feira, setembro 04, 2023
© Direitos reservados
A música dos dois países e a sua relação com Portugal guiam a próxima edição do festival ao ar livre, na sexta-feira e no sábado. Tristany, Lura, Aline Frazão e Nancy Vieira são os protagonistas.

É a hora de colocar a manta sobre o jardim para apreciar uma ou duas noites de música: desde que o Centro Cultural Vila Flor (CCVF) foi inaugurado, em 17 de setembro de 2005, a rentrée daquele que é o coração das artes peformativas em Guimarães segue quase sempre o mesmo ritual. Palco de nomes como The Young Gods, The National ou Thurston Moore ao longo dos anos, o Manta aventura-se, neste ano, pelos sons que emergem em Angola, em Cabo Verde e também em Portugal; mais concretamente pela relação entre o país mais ocidental da Europa e os países lusófonos de África.

O primeiro espetáculo da nova temporada do CCVF está a cargo de Tristany, rapper, músico e artista visual que cresceu na linha de Sintra, nos arredores de Lisboa, e que incorpora as culturas cabo-verdiana, angolana e guineense na sua matriz criativa. A partir das 21h30 de sexta-feira, 08 de setembro, o artista promete ilustrar a sua maneira de sentir e a sua consciência das realidades sociais que o circundam com uma multiplicidade de ritmos, sonoridades cruas e estímulos visuais, lê-se na nota de imprensa da cooperativa A Oficina, que tutela o CCVF.

Nesta mesma noite, às 22h30, defrontamo-nos com uma das mais relevantes, reconhecidas e internacionais vozes da música lusófona, a inconfundível voz de Lura, uma artista cujo coração balança entre Portugal e Cabo Verde, unindo as duas culturas através da música. Antes de embarcar numa tournée que percorrerá alguns dos maiores teatros europeus, Lura sobe ao palco do Manta para estrear o mais recente espetáculo, “Theater Sessions”, que inclui canções emblemáticas da sua carreira, homenagem a artistas que admira e ainda temas de “Multicolor”, o seu novo álbum que tem edição mundial prevista para o final do verão.

O dia 9 de setembro, sábado, volta a estender-se no relvado deste jardim para recebermos outros dois concertos que celebram a lusofonia e a sua harmonia inspiradora, bem transparecida em Aline Frazão, um dos nomes mais sonantes da nova geração de músicos angolanos. A cantora, compositora, guitarrista e produtora com mais de uma década de carreira e cinco álbuns de originais editados apresenta-se perante nós às 21h30 para um concerto a solo em que partilha connosco, entre várias das suas criações, o seu quinto e último álbum de originais, “Uma Música Angolana” (2022), considerado pela imprensa portuguesa como um dos melhores discos desse ano.

Um pouco mais tarde, às 22h30, surge no jardim aquela que é considerada por muitos como a natural sucessora de Cesária Évora, Nancy Vieira. Uma das mais reputadas artistas a explorarem no presente o imenso património musical de Cabo Verde, prepara-se para nos revelar no Manta, em estreia ao vivo, o seu novo álbum “Gente”, com edição marcada para o início de 2024, num concerto em que se faz acompanhar pela sua banda habitual que integra alguns músicos que pertenciam ao grupo de Cesária Évora.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73