skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
18 abril 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Domingos Bragança contra a gestão centralizada dos monumentos nacionais

Redação
Cultura \ terça-feira, março 28, 2023
© Direitos reservados
A propósito da vontade de colocar o património nacional sob a alçada direta do Estado, o presidente da Câmara crê que essa gestão deve estar a cargo dos municípios ou das entidades regionais.

O Paço dos Duques de Bragança e o Castelo são os espaços mais visitados de Guimarães, estando a sua gestão sob a alçada da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), tal como a do Museu Alberto Sampaio. Apesar do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, já ter dito que a prometida reorganização da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) apenas pretende “intensificar o processo de descentralização da cultura”, em declarações ao Porto Canal, circulam os rumores de que o Ministério da Cultura pretende colocar os monumentos nacionais e equipamentos culturais sob a tutela direta do Estado, algo de que o presidente da Câmara Municipal de Guimarães discorda.

Em declarações ao Jornal de Notícias (JN), publicadas esta terça-feira, Domingos Bragança vinca que esses espaços devem estar sob gestão municipal ou das Comissões de Coordenação do Desenvolvimento Regional, no caso de prevalecer um “funcionamento em rede”; essa posição está em linha com as dos autarcas de Braga, Lamego, Miranda do Douro e Bragança, também expressas ao JN.

Caso se confirme, a medida está longe de ser consensual dentro do próprio Governo, merecendo a oposição da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa. Já a presidente da Associação Portuguesa de Reabilitação Urbana e Proteção do Património, Alice Tavares, considera a centralização no Estado “um retrocesso completamente impensável”.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: