skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
21 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Clube Industrial de Pevidém faz 90 anos. Prioridade é “cativar gente nova”

Redação
Desporto \ sexta-feira, julho 21, 2023
© Direitos reservados
Fundado em 21 de julho de 1933, o clube ostenta vários títulos nacionais e internacionais e tem mais de 200 sócios, mas precisa de gente nova, da vila industrial, mas também de fora.

A mira continua apontada ao futuro no dia em que o Clube Industrial de Pevidém assinala 90 anos de existência. Com mais de 200 sócios, a maioria deles atiradores, a instituição sediada no Paraíso, uma das áreas da vila industrial, reconhece que é preciso atrair gente nova para robustecer uma instituição com títulos nacionais e internacionais desde a década de 40, com José Marques Rodrigues, até à contemporaneidade, com Cidália Fernandes ou Alberto Lopes Júnior, passando por Eduardo Jordão, na década de 70.

“A dificuldade, muitas vezes, é cativar gente nova. Temos tentado isso. Ao irem ao padel, podem, por exemplo, gostar do tiro. Queremos Levar gente nova para lá e gente de fora de Pevidém”, diz ao Jornal de Guimarães o vice-presidente do clube, Abílio Adães.

O dirigente frisa que algumas das iniciativas realizadas nos últimos cinco anos – duas provas de vinhos, um sunset, a Feira da Caça, Tiro e Lazer de Guimarães e até exposições de pintura – têm procurado atrair outros públicos ao campo de tiro de Pevidém, uma instalação a funcionar desde 23 de maio de 1974, criada para render o antigo stand da Várzea. “Criámos uma biblioteca, sala de troféus, sala de apoio aos atiradores e a futuros atletas”, acrescenta o responsável do clube presidido por Manuel Melo. O dirigente também espera que a frequência do espaço para padel possa levar alguns dos seus utilizadores a experimentarem o tiro.

Ciente de que o Clube Industrial de Pevidém é visto como uma instituição elitista, por ser frequentado por pessoas com possibilidades económicas, o vice-presidente realça que o clube “carece de ajudas de empresários e de amigos” para realizar os investimentos necessários, quer nas máquinas para os cinco campos de tiro, quer nas instalações interiores.

Com um armeiro capaz de albergar 600 armas e uma oficina para reparação, o Clube Industrial de Pevidém está ainda a dar “apoio aos mais jovens” no que respeita à burocracia das licenças para estarem dentro da legalidade na hora de atirarem.

Com cinco campos preparados para treinos e competições, o campo de tiro de Pevidém desdobra-se pelas variantes de tiro aos pratos – fosso olímpico, compak sporting ou TRAP5 -, pelo tiro ao voo e pelo tiro às hélices numa área de 10 hectares. Cada campo tem um fosso com cerca de 15 máquinas que exigem conservação permanente. A manutenção das relvas é outro dos encargos.

 

Conferência e almoço para celebrar aniversário

O Clube Industrial de Pevidém celebra 90 anos nesta sexta-feira, mas assinala a efeméride no sábado, com uma uma eucaristia em honra dos sócios já falecidos, na Igreja de São Brás, em Pevidém, com uma conferência subordinada ao tema “Uma instituição de elite: O Clube Industrial de Pevidém”, proferida pelo historiador Lopes Cordeiro, docente da Universidade do Minho, no Salão Nobre da instituição, e com um almoço a finalizar a manhã.

Depois do almoço com os sócios e entidades convidadas, são homenageados os associados com mais de 50 anos de filiação. Mais tarde, pelas 17h00, decorrerá uma visita guiada às instalações da instituição.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73