skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
14 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Crianças vimaranenses “com voto na matéria”: “Temos de saber comunicar”

Bruno José Ferreira
Educação \ sexta-feira, junho 03, 2022
© Direitos reservados
Estudo da UNICEF apresentado em Guimarães revela que 75% das crianças e jovens considera não ser ouvida pela comunidade. Projeto “Tenho voto na matéria” quer ajudar a mudar isso.

A cidade de Guimarães foi desafiada pela UNICEF a “auscultar e ouvir as crianças” no âmbito do programa Cidade Amiga das Crianças. O desafio foi aceite, foram percorridos os catorze agrupamentos de escolas do concelho e esta sexta-feira foram apresentados os resultados desse mesmo estudo.

“Mais de quinhentas crianças de Guimarães participaram no inquérito online da campanha ‘Tenho voto na matéria’”, adiantou a vereadora Paula Oliveira na cerimónia de apresentação dos resultados, revelando que veio “deliciada” depois de ouvir as crianças.

Os dados revelados pela UNICEF foram apresentados pela Dr. Francisca Magano, sustentando que “em todo o território, incluindo Guimarães, as preocupações das crianças são as mesmas: saúde mental, discriminação e internet e redes sociais”.

“Guimarães é um exemplo de excelência que deve ser seguido”

No salão nobre da Câmara Municipal de Guimarães a diretora executiva da UNICEF em Portugal, Beatriz Imperatori, elogiou a prática de Guimarães na interação com as suas crianças e jovens, salientando que “é importante dar continuidade aos projetos em curso”.

“Temos em Guimarães um exemplo de excelência que deve ser seguido; este é um elogio responsável. Há muitos desafios e o importante é que em Guimarães se dê continuidade aos processos em curso, sempre com um olhar crítico”, vincou.

RESULTADOS DO ESTUDO UNICEF – “TENHO VOTO NA MATÉRIA”

- 75,30% das crianças e jovens consideram que nunca, ou raramente, os adultos perguntam a sua opinião quando tomam decisões sobre a sua comunidade.

- 80% das crianças e jovens consideram que a sua opinião não influenciou o que foi decidido na sua comunidade.

- 15% das crianças e jovens só se sente seguro às vezes na sua cidade, vila ou aldeia.

- Preocupações das crianças:

1.º - Saúde mental

2.º - Discriminação

3.º - Internet e Redes Sociais

Após ver os principais resultados revelados, Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, considerou “essencial este trabalho de ouvir as crianças e jovens”, na medida em que se trata de “uma maneira de os fazer sentir que fazem parte”.

O líder máximo do município lembrou a importância de projetos como o ProChild, dizendo que as suas conclusões “são fundamentais” para tomar decisões de acordo com as propostas das crianças. Uma ideia reforçada por Adelina Pinto já na Biblioteca Municipal Raul Brandão, confrontada por crianças e jovens vimaranenses, dando conta que a intervenção que será feita na escola de Pevidém terá em conta o que está a ser ouvido das crianças.

De resto, nesse momento, em que Domingos Bragança e outros membros do executivo dialogaram com os mais novos, o líder máximo do município reconheceu que “há muros a derrubar na comunicação com os mais jovens”, acrescentando que “é preciso trabalhar em rede”.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73