skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
21 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

‘Daqui Houve Resistência’: livro dá origem a série televisiva da RTP

Redação
Cultura \ quarta-feira, janeiro 24, 2024
© Direitos reservados
Livro de César Machado, com testemunhos do 25 de abril, será vertido numa série televisiva de cinco episódios para a RTP, produzido pela Olho de Vidro – Associação Cinematográfica de Guimarães.

No ano em que se assinala meio século após a Revolução dos Cravos, irá para o ar na RTP 1 uma série centrada na luta que se fez no norte do país, com enfoque em Guimarães. Esta série, de cinco episódios, está em fase de pré-produção, sendo que as filmagens decorrerão em Guimarães nos meses de março e junho.

A referida série televisiva está a ser produzida pela Olho de Vidro – Associação Cinematográfica de Guimarães, tratando-se de uma adaptação cinematográfica baseada no livro documental “25 - Guimarães Daqui Houve Resistência” de César Machado. Pretende ser uma “homenagem e tributo” aos participantes ativos na revolução, que não teve a sua essência apenas na capital do país.

Este projeto conta com diversos apoios, como o Ministério da Cultura através do Instituto de Cinema e Audiovisual, RTP, Turismo de Portugal, Associação 25 de Abril e da Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril, a quem se junta a Câmara Municipal de Guimarães, segundo proposta que vai a votação esta quinta-feira em reunião de câmara.

“Daqui Houve Resistência é uma série para televisão, baseada em factos e personalidades reais, sobre a resistência e luta antifascista, centrada a norte de Portugal, durante os treze anos que antecederam o 25 de abril de 1974. Esta série de 5 episódios para a RTP 1 abarca os últimos 13 anos da ditadura de Salazar / Caetano, (1961-1974), centrando-se em Guimarães, e nas envolventes de Braga, Famalicão e Fafe”, pode ler-se na proposta.

O município propõe-se a atribuir apoio logístico e financeiro à realização deste projeto cinematográfico, atendendo ao seu “interesse público de que se reveste a concretização desta série”, um “registo para a posteridade da ação dos Vimaranenses que porfiaram, com altos custos pessoais, familiares e profissionais, pela conquista da liberdade”.

Esses apoios consistem em: - Utilização das instalações da Fábrica da Madroa em Guimarães e da Fábrica do Alto em Pevidém, sem prejuízo das respetivas empreitadas; - Licenciamento de cortes de trânsito e outras alterações pontuais de posturas municipais a detalhar posteriormente;  - Colaboração da Polícia Municipal em situações que envolvam cortes trânsito e estacionamento técnico; - Remoção e reposição de sinalética de rua; - Cortes de eletricidade de iluminação da via pública;  - Fornecimento de baixadas elétricas e respetivos quadros e consumos;  - Apoio financeiro de €20.000,00 para alojamento, em Guimarães, de atores e equipas técnicas.”

Artigos relacionados

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73