skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
24 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Das tradições às pontes, Muralha lança catálogos da coleção de fotografia

Redação
Cultura \ terça-feira, dezembro 19, 2023
© Direitos reservados
Associação apresenta, na quinta-feira, os catálogos de imagem correspondentes a três exposições apresentadas entre 2019 e 2023, relacionados com a história de Guimarães e o seu património.

As exposições Das Casas, Lugares e Tradições, lançada em 2019, A Reconstrução, de 2022, e Regresso às Pontes de Guimarães, de 2023, foram transpostas para três catálogos de fotografia que vão ser apresentados na quinta-feira, a partir das 18h00, na sede da Assembleia de Guimarães, perto do Parque da Cidade. As imagens fazem parte da Coleção de Fotografia da Muralha, associação responsável pelo lançamento das edições.

O catálogo elaborado a partir da mais antiga dessas exposições retrata património e tradições de Guimarães: as Festas das Cruzes de Serzedelo, a morte da Fábrica do Castanheiro ou a degradação da Casa do Costeado, agora prestes a ser requalificada para a edificação da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do IPCA.

Já o catálogo A Reconstrução documenta os cinco dias de reconstrução da Praça de Touros para as Festas Gualterianas de 1947, a partir da recuperação e do tratamento do acervo de João Gualdino Pereira. A exposição patente no último quadrimestre deste ano acerca das pontes do território vimaranense é a base para o outro catálogo.

Os catálogos seguem a mesma linha editorial dos cinco catálogos anteriores - O Trabalho, A Celebração, Álbum de Família, Na Cidade e Verde a Preto e Branco -, recolhendo e tratando texto e imagem sobre a história da comunidade vimaranense, os seus ofícios e tradições, o seu património e eventos marcantes.

A Coleção de Fotografia da Muralha (CFM) é constituída, na sua base fundadora, por imagens de Guimarães da autoria de Domingos Alves Machado (1882-1957). O trabalho de conservação, organização, datação, de produção de textos e de divulgação da CFM conferem-lhe hoje, assim o cremos, um estatuto particular e significativo, como testemunho histórico, artístico e da vida social em Guimarães no final do século XIX e século XX, com base nas imagens antigas da CFM; e agora, igualmente, na sua contemporaneidade.

Os novos catálogos de imagem, a editar agora, refletem o alargamento da CFM através da criação de imagens atuais, que alertem e deem a conhecer o património de hoje, mas também no estudo e digitalizações de coleções particulares relevantes. 

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73