skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
22 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Empate “inglório” para “a melhor equipa”, considera Álvaro Pacheco

Redação
Desporto \ sábado, abril 13, 2024
© Direitos reservados
Treinador do Vitória SC considera que as paragens prejudicaram o espetáculo, referindo que a sua equipa foi a melhor em campo e merecia mais do que o empate.

Álvaro Pacheco considera o empate frente ao Farense “inglório”, mesmo tendo sido alcançado em cima do apito final. O técnico olhou para o jogo sem dúvidas que a sua equipa foi a melhor em campo.

“Olhando para aquilo que foi o jogo, foi mais do que evidente que os meus jogadores mereciam a vitória. Sabíamos que ia ser um jogo difícil, perante um adversário que aposta muito nas transições, que se marcasse primeiro ia fechar as suas linhas e pausar o jogo. Não fomos felizes, criámos oportunidades, na primeira transição o Farense faz o golo. Perdemos um pouco o controlo do jogo, mas se o golo anulado é validado podia ser diferente. Só fomos capazes de marcar no fim, sentíamos que se marcássemos golo chegaríamos facilmente ao segundo tal era o caudal de jogo. Tanto é que marcámos quase no fim e mesmo assim quase que fazíamos o segundo logo a seguir pelo Nelson Oliveira. Foi inglório”, disse na sala de imprensa.

Questionado pelas quebras do jogo, e pelos períodos de compensação, depois de José Mota ter apontado o dedo à arbitragem, o técnico considera que as quebras prejudicaram o espetáculo.

“Penso que o Farense esteve constantemente a quebrar o ritmo do jogo, jogadores constantemente no chão, isso condicionou o espetáculo. Não tenho dúvida nenhuma que a melhor equipa em campo foi a nossa. Se o jogo tivesse sido mais corrido era completamente diferente. Quando os três grandes estão a perder os árbitros não permitem isto. Temos de ter capacidade para ter resiliência, nunca perdemos a fé e a resiliência, mesmo depois de empatar quase conseguimos a vitória, que seria mais do que justa. Olhando para o que foi o jogo, paragens, VAR, oito minutos foi mais do que justo. Há o golo nos descontos e ele não dá mais minutos, Numa equipa grande ele não faria isso”, atirou o treinador.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73