skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
20 julho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Exposição de Manuel Fonseca e Francisco Correia abre o 2023 do Project Room

Redação
Cultura \ quarta-feira, fevereiro 01, 2023
© Direitos reservados
Intitulada “Os fatais”, a mostra deambula pelas ideias de “sonho”, “descrença” e “conformismo” a partir de imagens de biombos ou de pneus. A inauguração realiza-se no sábado, a partir das 16h00.

Lançado em julho de 2021 para promover a criação artística ligada ao território vimaranense, o Guimarães Project Room prossegue em ciclos de exposições e prepara-se para apresentar mais uma, no próximo sábado. Às 16h00, o Museu de Alberto Sampaio acolhe a inauguração de “Os fatais”, mostra com trabalhos de Manuel Fonseca e Francisco Correia, dois artistas nascidos em 1996, que merecem a curadoria de João Terras.

Na nota de imprensa enviada às redações, o curador afirma que “todas as obras são fatais”, atributo que emerge de três condições: “o sonho, a descrença e o conformismo” ou, dito de outra forma, “a infância”, “a consciência” e “o medo”.

Esses olhares perante o mundo podem ser “meia dúzia de informes pneus pelas mãos do Manuel” ou “os biombos/janelas do Francisco e a luz que sobre eles rasa e outras quantas imagens fractais numa questão de proximidade”, algo que “condensa a potência de uma ação, algo que se incita a passar”.

Natural e residente em Guimarães, Manuel Fonseca concluiu a licenciatura em escultura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, em 2018, ano em que fez mobilidade ao abrigo do programa Erasmus, em Budapeste, na Hungria. Realizou a primeira exposição individual, “O Coro”, na capital húngara e participou, desde então, em várias exposições coletivas em Portugal e no estrangeiro, como “Regime Montanhoso” no Centro para os Assuntos de Arte e Arquitetura (2020).

Já Francisco Correia estudou pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa e fez o mestrado na LUCA em Bruxelas, cidade onde vive e trabalha. Ligado à pintura, à escultura e à escrita, o artista foi cofundador do coletivo aDrogaria, no Porto.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73