skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
14 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Imobiliário de Guimarães rende-se ao Mundo Digital

Redação
Economia \ sexta-feira, agosto 12, 2022
© Direitos reservados
Com as portas fechadas e um mercado a pedir soluções, a digitalização de processos agilizou-se e revolucionou a forma como a compra e venda de um imóvel é feita atualmente.

O conceito não é novo, apesar de ter ganho particular relevância durante a pandemia. As limitações à movimentação e à operação de inúmeros negócios tornaram a vida particularmente dura para alguns setores.

Um dos que dependia consideravelmente da relação interpessoal era precisamente imobiliário. Os agentes sempre foram vistos como a porta de entrada para uma transação sem complicações e capazes de multiplicar as horas do dia para o levar numa visita.

Com as portas fechadas e um mercado a pedir soluções, a digitalização de processos agilizou-se e revolucionou a forma como a compra e venda de um imóvel é feita atualmente. Os mesmos profissionais dedicados continuam lá, tão ou mais disponíveis que antes. Porém, este é um caso onde a tecnologia nos abre portas para outro mundo.

A digitalização do imobiliário em Guimarães

No momento de escrita destas linhas, contam-se mais de 2.000 propriedades para venda na área de Guimarães. Os números não revelam a realidade do mercado por completo, uma vez que a procura suplanta largamente a oferta disponível a nível nacional.

Invariavelmente, a possibilidade de colocar anúncios detalhados online e agilizar os processos de comunicação, visita e formalidades técnicas veio em muito agilizar o imobiliário em Guimarães. Em simultâneo, as agências que já operavam no meio e que surgiram no entretanto devem estar capacitadas de competências digitais para competir com maior sucesso.

Entre elas, encontram-se as seguintes:

  • Fotografias de alta definição e aspeto profissional nos anúncios online;
  • Visitas virtuais a determinados imóveis, que permitem conhecer o espaço remotamente;
  • A capacidade de traduzir anúncios em línguas além do português para um mercado crescentemente global;
  • Conhecimentos de marketing digital para saber como tornar o conteúdo publicado relevante aos motores de busca (SEO);
  • Disponibilização de contactos por mensagem instantânea (Instant Messaging) como WhatsApp, ChatBots, etc.;
  • Capacidade de criação de conteúdo adaptado às redes sociais (Instagram e Facebook) como forma de alcançar um mercado mais extenso.

Se a tarefa de um agente imobiliário já era repleta de requisitos, esta está a transformar-se num renovado sentido. A digitalização dos processos não é facultativa. Esta tornou-se mandatória em tempo recorde e não será possível retornar aos processos tradicionais.

O futuro é digital

Não é, portanto, de admirar que muitos dos nomes do imobiliário que se destacam invistam consideravelmente em campanhas de marketing digital. Se o mundo se alterou radicalmente, tal significa também que acompanhar o ritmo exige conhecimentos redobrados e velocidade nas decisões tomadas.

Os prospetos clientes esperam agora maior celeridade em todo o processo relativo à compra e venda de um imóvel. Os profissionais que tardem em aplicar estas metodologias arriscam-se a passar à irrelevância. Afinal, uma presença forte online é hoje em dia o mínimo absoluto para quem pretende anunciar imóveis, serviços e demais produtos.

Entre as diversas vantagens para o comprador, destacam-se as visitas virtuais que mencionámos. O processo de prospeção é agora mais veloz e dispensa gastos em deslocações. É muito mais simples identificar os imóveis que cumprem com os requisitos (e inclusive defini-los nos campos de busca online) e visitar pessoalmente apenas aqueles eleitos.

A comunicação entre todas as partes é agora imediata, à qual se junta alguma agilização nos processos burocráticos. Comprar casa era outrora uma tarefa penosa e dispendiosa. Atualmente, destaca-se apenas o segundo ponto.

 

ndr: este é um "Conteúdo Colaborativo"

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73