skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
03 dezembro 2022
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Morreu Edmundo Campos, primeiro presidente da Câmara eleito pós-25 de Abril

Redação
Política \ segunda-feira, novembro 07, 2022
© Direitos reservados
Antigo autarca socialista liderou os destinos municipais entre 1977 e 1979, período em que se concluiu a eletrificação do concelho e avançou o plano de urbanização a cargo de Fernando Távora.

As primeiras Eleições Autárquicas da democracia instaurada após o 25 de Abril realizaram-se a 12 de dezembro de 1976 e, em Guimarães, consagraram como presidente da Câmara Edmundo Campos, ex-autarca do PS que morreu esta segunda-feira. Em nome do município, o também socialista Domingos Bragança já emitiu uma nota de pesar.

“O Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, apresenta as mais sentidas condolências e manifesta o profundo pesar à família de Edmundo António Ribeiro Marques de Campos pelo seu falecimento, esta segunda-feira, 7 de novembro, deixando um memorável legado no concelho de Guimarães, no mandato que desempenhou como Presidente da Câmara Municipal de Guimarães entre 1977 e 1979”, lê-se no comunicado emitido pelo município.

Natural dos Arcos de Valdevez, o malogrado político passou a residir em Guimarães aos dois meses, estudou no então Liceu de Guimarães e lançou-se para uma carreira profissional como bancário, que o levou à gerência da agência de Guimarães do então Banco Português do Atlântico. Em 1975, a comissão administrativa liderada pelo MDP/CDE, na pessoa de José Augusto Silva, sentiu que não tinha “legitimidade eleitoral” para continuar à frente da Câmara, depois de o PS ter sido o partido mais votado nas eleições para a Assembleia Constituinte, de 25 de abril de 1975.

Os socialistas escolheram então Edmundo Campos para uma comissão administrativa que, até às eleições de 1976, assegurou “pavimentação, abertura de caminhos e estradas municipais, eletrificações e construção de escolas” e viu aprovados os novos limites da cidade, até à área de Pevidém, que elevaram Guimarães à classificação de município urbano.

Depois de o PS vencer as Autárquicas de 1976, com 31,5% dos votos, correspondentes a três dos nove vereadores no executivo municipal, Edmundo Campos presidiu a um mandato em que se adquiriu o Palácio Vila Flor para as instalações provisórias do polo vimaranense da Universidade do Minho, se adjudicou o Plano Geral de Urbanização da Cidade de Guimarães ao Arquiteto Fernando Távora, na base da futura reabilitação do centro histórico, se iniciou o Industrial de Ponte e se concluiu as habitações sociais de Nossa Senhora da Conceição.

Edmundo Marques de Campos não se recandidatou às eleições de 1979, por opção profissional, tendo regressado às suas funções profissionais de gerente bancário. Alguns anos mais tarde, na década de 1980, passou a residir em Vila do Conde. Manteve sempre uma forte ligação afetiva a Guimarães e participou nas várias cerimónias oficiais do Município na sua qualidade de anterior presidente da Câmara Municipal, lê-se no comunicado da autarquia.

As cerimónias fúnebres realizam-se terça-feira, 8 de novembro, pelas 16h00, na Capela de Nossa Senhora de Fátima em Areia, Árvore, Vila do Conde.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #38