skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
24 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Antecâmara do devir na música, o Mucho Flow está de volta em edição redonda

Redação
Cultura \ quinta-feira, novembro 02, 2023
© Direitos reservados
Palco de nomes agora reconhecidos na cena alternativa, o mais experimental dos festivais rock de Guimarães regressa esta quinta-feira para uma inédita edição de três dias, no ano da 10.ª edição.

Black Midi, Slauson Malone, Loraine James, Lee Gamble, Space Afrika, Sky H1, Horse Lords, Sega Bodega ou, no ano passado, Jockstrap: todos estes nomes reconhecidos na cena alternativa do rock, dados a novos horizontes sonoros, passaram por Guimarães, com a chancela Mucho Flow. Criado em 2014, o festival com selo da Revolve regressa nesta quinta-feira para a 10.ª edição, com 22 propostas artísticas.

Num tempo redondo da sua história, o festival vai pela primeira vez desenrolar-se em três dias, nos palcos a que habituou aficionados oriundos de várias latitudes de Portugal e da Galiza: o Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), o auditório e o átrio das salas de ensaio do Teatro Jordão, o Centro Cultural Vila Flor (CCVF) e o Centro de Artes e Espetáculos São Mamede, no encerramento de cada noite.

Além da música, o festival abraça outras expressões artísticas pela primeira vez, propondo “um formato mais crítico sobre curadoria, cruzando música nas suas formas mais inovadoras, tão arriscadas quanto delicadas, com plásticas, instalações audiovisuais e conversas”, lê-se no comunicado da Revolve. “A tónica é sempre a mesma: a aventura nas novas sonoridades e a descoberta dos artistas que vão marcar presença regular nas nossas audições dos próximos meses, até ao próximo Mucho Flow”, acrescenta a promotora. Os passes gerais para o festival custam 55 euros.

 

02 de novembro, quinta-feira

No dia inaugural, o 10.º Mucho Flow aventura-se por outras expressões artísticas, sobressaindo o espetáculo “Atavic Forest”, uma instalação audiovisual concebida pelo artista sonoro e cénico Jonathan Uliel Saldanha pelo coletivo Lunar Ring e pelos investigadores Gonçalo Guiomar e Zach Mainen, em que o espaço se adapta aos ocupantes a partir de sensores de movimento, num cruzamento entre novas tecnologias, materiais orgânicos e reatividade. O dia é ainda marcado por conferências no CIAJG.

 

CIAJG
16h00 The Case for Curatorship [Talk]
17h30 Low Intersection of Benign Machines
18h30 Into the Atavic Forest [Talk]

CCVF
21h30 Atavic Forest (Grande Auditório)
22h30 pablopablo (foyer)

 

 

03 de novembro, sexta-feira

Ao segundo dia, o Mucho Flow ocupa finalmente todos os espaços disponíveis, com 10 propostas. O Teatro Jordão assume finalmente protagonismo, com Daniel Blumberg a ocupar o auditório com o seu indie rock de improviso, antes de Miguel Pedro, o músico dos Mão Morta no seu projeto a solo, Evita Manji e Lost Girls – duo formado por Jenny Hval e Håvard Volden que constitui um dos nomes mais reconhecidos desta edição - ocuparem as garagens. O São Mamede também se estreia madrugada fora, com a eletrónica de LCY, OK Williams e King Kami.

 

CIAJG
18h00 Bengal Chemicals (black box)

TEATRO JORDÃO
19h15 Daniel Blumberg (auditório)
20h15 Miguel Pedro (garagens)
21h15 Evita Manji (garagens)
22h15 Lost Girls (garagens)

CCVF
23h15 Heith
00h15 Amnesia Scanner

TEATRO SÃO MAMEDE
01h30 LCY
03h00 OK Williams
04h30 King Kami

 

 

04 de novembro, sábado

Na noite de encerramento, o túnel sob a Avenida D. Afonso Henriques, junto ao Teatro Jordão e a Garagem Avenida, estreia-se no festival, com a instalação “Leviatã Magnético ou Experiências com Automagnetofagismo”, de Benjamim Gomes, criada no âmbito da Licenciatura em Som e Imagem e do Mestrado em Cinema da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. Ao lado, as garagens recebem Contour, Lunch Money Life e Lankum, banda que reaviva o folk irlandês com roupagens contemporâneas e atmosferas sombrias.

No Vila Flor, Abyss X chega da ilha de Creta, na Grécia, para se estrear em Portugal com as suas canções pop, e Aisha Devi protagoniza o último concerto no centro cultural, dando-lhe um cunho mais eletrónico. O São Mamede acolhe Evian Christ, Emma dj e DJ Lynce para mais uma noite de batidas.

 

CIAJG
17h00 Tormenta (black box)

TEATRO JORDÃO
18h15 Lucinda Chua (auditório)
19h30 Leviatã Magnético ou Experiências em Automagnetofagismo (túnel)
20h15 Contour (garagens)
21h15 Lunch Money Life (garagens)
22h15 Lankum (garagens)

CCVF
23h30 Abyss X (GA)
00h30 Aisha Devi (GA)

TEATRO SÃO MAMEDE
02h00 Evian Christ
03h20 Emma dj
04h30 DJ Lynce

 

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73