skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
14 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

No trilho entre o Barreiro e o berço, Paulo juntou mais de 150 mil pessoas

Pedro C. Esteves
Sociedade \ sábado, novembro 27, 2021
© Direitos reservados
Paulo Lourenço veio da Margem Sul para o Minho há 12 anos. Aqui encontrou "o verde" ao qual já chama casa. O grupo Trilhos de Portugal e até uma carta da Presidência da República cabem neste vaivém.

Há um ambiente onde Paulo Lourenço se sente bem e é facilmente encontrado. No fundo, um habitat. Nesse conjunto de condições físicas essenciais estaria uma floresta densa, um trilho para palmilhar. Geograficamente, o norte de Portugal: mais especificamente o Minho e o Parque Nacional da Peneda-Gerês. Nem sempre foi assim: Paulo nasceu e cresceu a sul e trepou o país para se fixar no Minho há 12 anos (e há três em Guimarães). Entretanto, começou um projeto que agrega milhares de aficionados pela natureza. Comecemos esta viagem por aí.

Foi já por terras minhotas que o aficionado pela natureza de 42 anos decidiu transportar o mundo natural para o ecrã – e, com isso, difundi-lo. Nascia o Trilhos de Portugal, um grupo público no Facebook com mais de 154 mil membros. “Nas minhas folgas, ou aos fins-de-semana, tenho aprendido cada vez mais, tenho aprendido imenso. Faço muitas caminhadas, trilhos. Seja na zona, ou no Parque Nacional Peneda-Gerês. É de norte a sul”, explica Paulo Lourenço ao Jornal de Guimarães.

Habituado à planície alentejana, encontra no Minho “a serra e o monte”: “Desde pequeno que sempre fui ligado à natureza, o gosto foi amplificado quando vim para Braga e para mais perto do nosso parque nacional”. A viver na freguesia de Ponte, que “tem como presente ser banhada pelo rio Ave”, conjuga o trabalho na área têxtil com o desbravar “das zonas verdes” a norte do concelho e a manutenção do grupo na rede social Facebook.

“Fazia parte de outros grupos, mas eram focados em regiões, localidades. Não havia nada a nível nacional onde as pessoas pudessem partilhar experiências das suas localidades. E surgiu a ideia de criar um grupo Trilhos de Portugal: ao fim de cinco meses, já tinha 50 mil membros”, enquadra. Agora, seguem-se pedidos para entrevistas e reportagens para saber mais sobre o projeto.

 

Um bordado em 800 mochilas e uma promessa de Marcelo

Com dois anos, o grupo vai divulgando e agregando: desde fotografias da Serra da Estrela a avistamentos da cabra-montês ou apelos à recolha de lixo das florestas. E o sentido de comunidade também se acende de outra forma. É que há espalhadas por Portugal – e mesmo em França, Bélgica ou Espanha – um emblema bordado em mochilas prontas para partir em aventura com o selo de Paulo. Entretanto, surgiu a ideia de criar um polo – que até foi enviado para o Presidente da República. O barreirense explica: “Em menos de um ano vendi 800 emblemas, agora ando a criar uns polos e enviei um para Marcelo Rebelo de Sousa com a proposta de me acompanhar num passeio ”. Resultado: uma semana depois, uma missiva da Presidência da República dava os parabéns aos Trilhos de Portugal e indicava que uma caminhada podia estar nos planos. “Poderá ser para breve, ando há espera de receber uma chamada”, complementa.

 

 

Iniciativas como o Trilhos de Portugal, os bordados ou os polos são exemplos de “pegadas” que vão dando conta da passagem. O termo “pegada” também é usado por Paulo para se referir a um desafio que aceitou há pouco tempo: integrar uma lista às eleições autárquicas de 2021. “Recebi um convite do Sérgio Castro Rocha, [presidente da Junta de Freguesia de Ponte], para fazer parte da lista deste novo mandato e fui eleito deputado para a Assembleia de Freguesia. No meu ponto de vista sempre foi importante deixar uma pegada. Todos temos capacidades para dar um pouco de nós à zona onde moramos”.

 

O pão, um barco e linhas de metro

E a pegada vai-se recalcando. O Minho acolheu Paulo há 12 anos e por aqui nasceu um filho. Coina, no Barreiro, com o sapal do rio e um pedaço da Mata Nacional da Machada, está longe. Há saudades da família… e do pão. “Não tem nada a ver com o de lá. O pão alentejano é diferente do pão que se compra aqui nas padarias, é uma coisa que sinto falta”. Não é suficiente para largar o habitat a que se afeiçoou: “Já tive imensas oportunidades e convites para regressar lá para baixo e não está nos meus planos voltar lá. Há saudades e tenho lá muitos amigos, mas não penso em voltar. Já nem me revia”.

 

© Palácio de Coina

© Palácio de Coina

 

Isto porque a rotina de Paulo passava por cruzar todos os dias o Tejo desde a Margem Sul, trocar de linhas de metro três vezes e enfrentar um habitat agreste para quem tem nos trilhos e na natureza o destino preferencial. Agora, o trabalho fica a uma viagem curta até Pevidém. E há tempo para planear rotas e incursões verde adentro. “A minha companheira até diz que mal consegue ir para a praia comigo, que só uso as folgas para caminhar”, brinca.

Por vezes, a “zona da Penha” é o destino delineado. Quando a rota é para lazer, Paulo procura o centro de Guimarães. Destaca, para além dos projetos a nascer na zona ribeirinha, “os espaços magníficos para percorrer”. Com a pandemia, Paulo viu a comunidade acercar-se da natureza e “isso é muito importante”. Até pode ser que encontrem outros destinos nos Trilhos de Portugal.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73