skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
21 maio 2022
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Open Calls Bairro C. Reinterpretar o espaço é o desafio: todos podem tentar

Bruno José Ferreira
Cultura \ quinta-feira, maio 05, 2022
© Direitos reservados
Parceria com a Escola de Arquitetura, Arte e Design convida à interpretação de novos espaços de Guimarães. De couros, o desafio estende-se até ao CIAJG.

A Oficina deu a conhecer os moldes das open calls inseridas no âmbito do projeto de arte pública Bairro C, que no seu terceiro e último ano alarga horizontes. Depois de iniciar pela zona de Couros e de se ter estendido para o mercado na segunda edição, este ano a criação artística será desafiada até ao Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG).

Desafiada porque “o Bairro C continua a desafiar várias entidades”, tal como referiu Paulo Lopes Silva, vereador da cultura da Câmara Municipal de Guimarães, na Escola de Arte Arquitetura e Design da Universidade do Minho.

Apesar de a iniciativa ser aberta à comunidade, foi estabelecida uma parceria com a Escola de Arte Arquitetura e Design da Universidade do Minho. Paulo Lopes Silva lançou o repto para que se possa fazer a “reinterpretação do espaço público na nossa cidade” e se possa “reimaginar o espaço por quem o usa, seja de cá ou não”.

“Cumprem-se dez anos da Capital Europeia da Cultura, celebramos a passagem de cidade que consome cultura para uma cidade que produz cultura”, disse o vereador na cerimónia de apresentação deste projeto.

Marta Mestre, curadora do CIAJG, observou que, no seu entender, “falta garra” à Plataforma das Artes e da Criatividade, local abrangido pelo Bairro C, pelo que considera “um belíssimo desafio ocupar aqueça praça”.

«Cruzar mundos, cruzar caminhos» é o mote desta edição, sendo que a curadora acredita que a parceria com a Escola de Arte Arquitetura e Design da Universidade do Minho é uma ideia feliz, até tendo em conta o mote: “Trata-se de uma parceria que nos permite chegar a um conjunto alargado de pessoas para traçar e pensar aquele espaço”, disse.

Lançando também ele o repto à comunidade académica, e não só, Paulo Cruz, presidente da Escola de Arte Arquitetura e Design da Universidade do Minho, mostrou-se agradado com esta interligação cultural, uma vez que “questionar a ocupação do espaço público está no ADN desta escola” que lidera.

16 de junho é a data limite para poder responder aos editais propostas para esta intervenção artística e cultural no espaço público, sendo que os resultados serão conhecidos no dia 24 de junho. A partir de julho, o espaço público estará reinterpretado e repensado; pronto a ser apreciado pela população.

Programação Cultural e Curadoria (detalhes da open call)

Arte Pública (detalhes da open call

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #28