skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
16 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Pedonalização “vai ser o fim da cidade”. Bragança não compreende “ruído”

Bruno José Ferreira
Política \ sexta-feira, março 24, 2023
© Direitos reservados
Comerciantes da ACTG marcaram presença na reunião de câmara, para mostrar mais uma vez o seu desagrado relativamente ao corte do trânsito no centro da cidade.

A sala onde normalmente se desenrolam as reuniões de câmara foi pequena para a sessão desta quinta-feira, uma vez que vários membros da Associação de Comércio Tradicional de Guimarães (ACTG) marcaram presença nas instalações do município, manifestando-se mais uma vez contra o corte do trânsito em algumas artérias do centro da cidade.

“O corte do trânsito vai ser o fim da cidade, a nossa morte”, frisou Cristina Faria, presidente da ACTG, no período reservado a intervenções do público. “O corte do trânsito vai ser um obstáculo para o nosso negócio, será o nosso fim: todos os dias fecham estabelecimentos”, sustentou, dizendo que a instituição que dirige quer estar ao lado da autarquia, pensando em “dar vida a Guimarães”.

Domingos Bragança disse não perceber o ruído que se está a fazer em torno deste assunto da pedonalização de algumas ruas do centro da cidade, sustentando que no seu entender estão a ser dados passos em sentido contrário aos que Cristina Faria preconiza. “O que estamos a fazer é o oposto do que apresenta”, disse o presidente da câmara.

“Se nada fizermos, os resultados que nos foram apresentados por si da situação do comércio, a situação de queda continua do comércio local, vai continuar. Estamos desde o primeiro momento é trabalhar consigo, com a sua direção, para arranjarmos as melhores soluções. Não aceitamos é que nos diga à partida que não aceita a solução que apresentamos”, disse.

De resto, o presidente da câmara comprometeu-se a não avançar com a pedonalização do centro sem apresentar o projeto em plenário aos comerciantes, de forma a que possa ser aperfeiçoado. “ Não se trata de uma obra complexa, como se diz aí que vai ser como o Toural, nada disso”, atirou.  

“A intervenção que será feita passará por colocar à mesma cota as ruas e os passeios, instalar fibra ótica para que seja implementado o projeto dos Bairros Comerciais Digitais, e colocado mobiliário e equipamento destinado às crianças e aos mais idosos, para que as pessoas possam fluir e fixar-se na cidade”, complementou o líder máximo do município.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73