skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
21 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Rui Borges: “Penso que o nosso triunfo é justo”

Redação
Desporto \ domingo, novembro 05, 2023
© Direitos reservados
Técnico do Moreirense considera o triunfo frente ao Vitória justo, destacando a ambição da sua equipa.

Rui Borges sentiu que “quem fizesse golo ia ganhar” o duelo vimaranense entre Moreirense e Vitória, vendo a sua equipa amealhar os três pontos com um golo de André Luís. Um triunfo “justo” no entender do técnico, que analisa um jogo de equilíbrios.

“Foi uma primeira parte bastante equilibrada, em alguns fomos momentos melhores, mais pró-ativos, num momento ou outro podíamos ser mais competitivos no meio campo, mas não deixámos o Vitória criar lances de perigo. Temos duas ou três situações de finalização em que poderíamos ter sido mais felizes”, começou por analisar.

O técnico do Moreirense continuou, analisando a segunda metade: “O Vitória entrou melhor, nós estávamos intranquilos, deixámos o Vitória ganhar confiança, mas fomos recuperando e o jogo tornou-se um pouco equilibrado novamente. Foi um bom jogo, com duas equipas a querer ganhar, a respeitarem-se, fomos felizes no golo, conseguimos lá chegar com golo e depois controlámos bem a profundidade, o Vitória bombeou bolas para as referências, mas sem perigo. Penso que foi justo, no banco a meu sentimento era que a equipa que fizesse golo ia ganhar o jogo”, atirou.

De resto, com o Moreirense a chegar aos 17 pontos em dez jogos, Rui Borges destaca a ambição da sua equipa em fazer mais. “Os meus jogadores têm uma ambição muito grande, não se focam no que já fizeram. A malta que não jogou entra amanhã no treino com uma vontade enorme de treinar e de ser solução, são uma equipa muito comprometida, têm uma ambição infinita, querem ser melhores. Temos 17 pontos, o próximo objetivo são os 20 pontos. Têm um foco enorme, não preciso de estar preocupado em ter os pés no chão”, concluiu.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73