skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
25 fevereiro 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

CCVF reflete sobre arte e política a partir de Fellini e orquestra de jazz

Redação
Cultura \ sexta-feira, março 10, 2023
© Direitos reservados
Adaptação do filme homónimo de 1978, a peça “Ensaio de Orquestra”, de Tonán Quito, apresenta-se este sábado à noite em Guimarães, com a música a servir de “metáfora de uma sociedade em crise”.

Se, em 1978, Federico Fellini mostrou, através do cinema, “uma orquestra que recusa a sua natureza coletiva, e onde cada indivíduo tem uma visão egocêntrica do seu papel”, com o “propósito de destronar” o “seu inimigo comum”, o maestro, o encenador Tonán Quito tenciona, neste tempo, fazê-lo com a Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal.

Assim, “Ensaio de Orquestra”, peça com o mesmo nome do filme do cineasta italiano sobe ao palco do Grande Auditório Francisca Abreu, no Centro Cultural Vila Flor (CCVF), a partir das 21h30 de sábado, para lançar muitas questões à plateia: "Onde está a liberdade coletiva e individual?", "O que é que nós estamos aqui a fazer?", "Estamos a tentar construir qualquer coisa juntos. O quê? Para que é que serve?". “O espetáculo acaba por ser um falso ensaio aberto, um falso documentário, possivelmente também um falso espetáculo. E é neste jogo de falsidade que cada músico procura a sua verdade, na esperança de se descobrir no coletivo”, descreve Tonán Quito, citado pela Oficina, coprodutora do espetáculo.

A peça é, portanto, construída em torno de uma orquestra caótica, barulhenta, que recusa assumir as caraterísticas desse coletivo, e onde cada indivíduo tem uma visão exagerada de si mesmo e da sua função. Mas acabam por se unir e se rebelarem contra o maestro.
 E instala-se o caos, a violência e a destruição. Só um desastre os pode parar. Perdidos e assustados, procuram o maestro que esteve sempre calmo à espera da oportunidade para voltar de novo a controlar e a exercer o seu poder, acrescenta a nota.


Com um alargado elenco – constituído pelos intérpretes António Fonseca, Paula Diogo, Sara de Castro, o próprio Tónan Quito e a Orquestra do Hot Clube de Portugal (André Ribeiro, António Almeida, António Morais, Bernardo Tinoco, Eduardo Lála, Inês Matos, Jéssica Pina, João Capinha, José Almeida, José Silva, José Soares, Luís Cunha, Margarida Campelo, Paulo Gaspar, Pedro Felgar, Ricardo Sousa, Rui Ferreira, Tomás Marques e Gonçalo Marques –, “Ensaio de Orquestra” apresenta-se assim em Guimarães com música original de Filipe Melo, o qual reparte ainda a responsabilidade do texto e dramaturgia com Tonán Quito. Os bilhetes têm custo unitário de 10 euros ou de 7,5 euros com desconto.

Para o músico e assistente de encenação Gonçalo Marques, esta versão do "Ensaio de Orquestra" também aborda a questão intemporal da relação entre arte e política, levantando reflexões atuais. "No mundo em que vivemos que sentido faz alguém dedicar a sua vida a tocar um instrumento? Que sentido faz dedicar recursos preciosos para manter uma orquestra em funcionamento? Será que o poder catártico da música, a capacidade de cimentar as comunidades e unir seres humanos díspares compensa o esforço? Talvez a música seja mesmo a nossa salvação.”

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #67