skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
16 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Xico Andebol pede mais apoio ao desporto. Câmara vinca “modelo democrático”

Tiago Mendes Dias
Desporto \ sexta-feira, abril 21, 2023
© Direitos reservados
Escolares lamentam valores menores ao seu clube face a concelhos vizinhos e creem que o valor global para o desporto em Guimarães deve subir. Câmara diz apoiar todos os clubes, sem criar “elites”.

Entre os mais de 750 mil euros de apoios ao desporto atribuídos pela Câmara Municipal de Guimarães para a época 2022/23 – 688 mil para formação, eventos e deslocações e 63.500 para aquisição de equipamento e transportes -, 25 mil cabem ao Xico Andebol. Dessa verba, 20 mil euros respeitam a apoio à formação e cinco mil para os apoios aos torneios Festand, realizados época após época.

Aprovados na reunião do executivo de 23 de março e formalizados em 15 de abril, numa cerimónia decorrida no Multiusos, os valores desagradam ao presidente dos escolares, Mauro Fernandes, por duas razões: o facto de os apoios à formação por atleta serem inferiores aos de clubes de andebol de municípios vizinhos e a redução do apoio aos torneios Festand, de 13 mil euros, em 2021/22, para cinco mil, em 2022/23 (-61,5%).

O dirigente não entende essa diminuição, quando, segundo dados da Associação de Andebol de Braga (AAB), o clube azul e amarelo é que com mais atletas federados (215), ainda para com a quase duplicação do apoio total a eventos: depois de atribuir 66.850 euros para essa rubrica em 2022, a Câmara elevou esse valor para 141.500 euros em 2023. “No ano passado, o Xico recebeu 13 mil euros. Neste ano, recebe cinco mil. Tem mais equipas, organiza mais eventos, tem mais responsabilidades. Qual é a lógica? Temos de ter uma fórmula transparente para os clubes saberem com o que contam”, defende, criticando a falta de “estabilidade” nesse apoio específico.

O dirigente realça também que “não é possível” o Xico Andebol “competir com projetos” à sua volta, face aos valores atribuídos pelo município de Guimarães e pelos municípios vizinhos, em comparação. Os dados da AAB a que o Jornal de Guimarães acedeu mostram que, entre os 14 clubes filiados, o Xico Andebol é aquele com mais inscritos, seguido do ABC de Braga (195) e do BECA, de Celorico de Basto (114).

O clube bracarense recebeu, porém, um apoio de 205 mil euros para a época 2022/23, aprovado pela Câmara Municipal de Braga na reunião de 17 de outubro. Nesse documento, eram mencionados 355 atletas. Ou seja, o clube recebeu um apoio de 577 euros por atleta segundo essa contabilidade ou de 1050 euros por cada inscrito na AAB. Já o Arsenal Clube da Devesa, com 62 atletas inscritos na AAB, viu aprovado um apoio de 15 mil euros em 20 de fevereiro de 2023, o que perfaz 241 euros por cada inscrito. Com os 25 mil euros a dividir por 215, o Xico contabiliza 116 euros para cada um dos seus atletas.

“Vamos ser absorvidos. A continuar assim, perdemos todos os atletas que andámos 10 a 12 anos a formar para os vizinhos à nossa volta, porque vão ter condições melhores. O trabalho que estamos a fazer é uma exceção. Assim, estes atletas vão para o novo projeto do Vitória, ou para os projetos do Fafe ou do ABC. (…) 25 mil euros é um valor ridículo. O presidente da Associação [de Andebol de Braga] ficou chocado com estes valores”, disse.

Mauro Fernandes lembra ainda que o Xico tem projetos que sobressaem face aos restantes emblemas, como o da sustentabilidade ambiental, a seu ver modelo para o Desporto Carbono Zero, programa da Câmara para os vários clubes de Guimarães, o da psicologia ou o da “fisioterapia de especialidade”, que atrai para o clube desportistas que iniciaram os respetivos percursos noutros clubes, como o ABC.

Com a verba em questão, o dirigente levanta mesmo a dúvida sobre se é possível manter a “porta aberta” com as mensalidades como estão ou se tem de “reajustar o projeto para uma coisa elitista”, com as “pessoas a pagarem bastante” para aquilo funcionar, algo que, a seu ver, contraria o espírito que deve nortear o andebol.

“Não conseguimos ter o número de atletas que temos, os serviços que temos, e não conseguimos ter os níveis de mensalidades dos pais nestes valores. Se é isto que queremos numa sociedade com os problemas que tem, em que o salário real é cada vez menor, se vamos aumentar as mensalidades dos atletas todos os anos para 40, 50 ou 60 euros estamos a subverter o projeto do Xico. Não é possível no andebol ter mensalidades dos 60 aos 100 euros. Ficamos sem atletas”, realça.

Mauro Fernandes considera, aliás, que “todos os clubes recebem pouco”; em apoio à formação, apoio a eventos e apoio a deslocações ao estrangeiro, a Câmara distribuiu 688 mil euros por 59 clubes e associações – uma média de 11.661 euros por entidade. No caso do andebol, o concelho é aquele mais representado na AAB, com 349 atletas (28% do total) – 90 do CCR Fermentões e 44 do Vitória, além dos 215 do Xico. O responsável defende “um aumento” do investimento no desporto em Guimarães, referindo outros “projetos interessantes com pouquíssimos apoios”, embora sem os citar.

“Se calhar, em Guimarães, todos os clubes recebem pouco. Tem de se ponderar um aumento significativo. Se o desporto traz os benefícios que traz, qual o problema de duplicar o apoio total? Sabemos que isto tem retorno para a economia. Defendemos um reforço transversal a todo o setor do desporto”, disse, sublinhando a falta de “ajuste ao aumento de custos dos clubes” ao longo do último ano e defendendo que a fórmula de atribuição de apoios não pode ser “cega”.

 

Apoios desportivos para 2023 formalizados no Multiusos no passado dia 15 de abril © Município de Guimarães

Apoios desportivos para 2023 formalizados no Multiusos no passado dia 15 de abril © Município de Guimarães

 

Câmara: “A nossa opção é democrática. Todos os clubes merecem apoio”

A propósito dos apoios desportivos para a época 2022/23, o vereador municipal para o desporto lembrou que o montante para instalações desportivas vai ser atribuído separadamente aos apoios à formação, a eventos e deslocações ao estrangeiro, realçou que os apoios à formação subiram face à época passada - de 473 mil euros para 517 mil euros – e defendeu que todos os clubes e associações desportivas em Guimarães merecem apoio.

“Se há estes clubes todos, porque é que Guimarães não escolhe cinco ou 10 clubes e apoia-os mais, não apoiando os outros? É uma opção da Câmara. E é uma opção em que me revejo. De todos os clubes que, sem exceção, fizeram candidatura para a formação, todos foram financiados pela Câmara. Nenhum ficou sem dinheiro. A nossa opção é democrática: todos os clubes de Guimarães merecem o apoio do município”, defendeu Nelson Felgueiras.

O vereador realça que o município de Guimarães “não é comparável” a outros à sua volta, que, com menos clubes, podem entregar mais verba a cada um, aplicando menos dinheiro no total, e recusa “criar um ecossistema de desporto de elite” a partir dos apoios municipais, onde “só os melhores clubes e os melhores atletas participam”. “Queremos criar um ecossistema inclusivo em Guimarães. Todos os clubes com atividade recebem da Câmara. Essa não é a opção de alguns municípios”, frisou.

O Xico Andebol, acrescentou, tem sido um dos clubes desportivos vimaranenses mais apoiados pela Câmara Municipal de Guimarães, tendo recebido mais de 550 mil euros para obras, para formação, para torneios e em subsídios extraordinários nos mandatos autárquicos de 2009 a 2013, de 2013 a 2017 e de 2017 a 2021. No mandato em curso, em que Nelson Felgueiras assumiu pela primeira vez o pelouro, a Câmara apoiou o Xico com 145 mil euros: 12 mil euros de subsídio para o 80.º aniversário, atribuído em dezembro de 2021, 20 mil euros para formação, 13.500 euros para os torneios Festand e para o campeonato regional de montanha em automobilismo e ainda 75 mil de apoio extraordinário à participação na 1.ª Divisão Nacional sénior masculina em 2022 e agora os 25 mil euros em 2023.

“Este apoio extraordinário, não obstante outros clubes de Guimarães participarem na 1.ª Divisão da respetiva modalidade, não temos por hábito dá-lo. Foi uma situação excecional. Mas, nos mandatos anteriores, foram atribuídos mais subsídios extraordinários ao Xico, o que não é frequente em Guimarães”, lembrou.

O responsável mencionou ainda os 3,5 milhões de euros de apoio ao desporto em 2022, entre verbas distribuídas aos clubes e às Juntas de Freguesia, em alguns casos responsáveis pelas instalações desportivas, e os contratos-programa com a Tempo Livre - responsável por organizar a Meia Maratona de Guimarães ou a Liga Neno -, que se aproximam anualmente dos dois milhões de euros, para defender que a Câmara Municipal apoia o desporto em Guimarães.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73