skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
15 junho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

CIAJG sem financiamento do Estado. “Não podemos aceitar para Guimarães”

Bruno José Ferreira
Cultura \ quinta-feira, abril 06, 2023
© Direitos reservados
Financiamento cultural voltou a fazer parte da agenda da reunião de câmara. Bragança diz que com a receita do Castelo de Guimarães e do Paço dos Duques resolvia-se a questão.

As declarações de Pedro Adão e Silva ao Jornal de Guimarães, sobre o financiamento do Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), foram abordadas em reunião de câmara, debatendo-se uma vez mais o financiamento cultural por parte do Estado.

Vânia Dias da Silva, vereadora da oposição, sustentou que o Ministro da Cultura “mandou o senhor presidente ir bater à porta dos privados para arranjar financiamento”, contrariamente ao que acontece com os equipamentos criados em Lisboa e no Porto no âmbito da Cidade Europeia da Cultura.

“Não é de agora que temos visto que não tem força política, peso político, junto do poder central, para fazer o que é preciso para Guimarães. Guimarães não pode ter um estatuto diferente de Lisboa e do Porto. Tinha de ter força suficiente para ter financiamento semelhante. Esqueçam o estado central, vá pedir ao mecenato, aos privados, que apoiem a plataforma das artes”, disse a vereadora, dirigindo-se ao presidente da câmara.

De resto, Vânia Dias da Silva disse que “está na hora de assumir o falhanço total relativamente à Plataforma das Artes e da Criatividade”.

Em resposta, Paulo Lopes Silva – vereador da cultura – lembrou a extinção da Fundação Cidade de Guimarães como sendo um dos entraves ao financiamento. O vereador vincou que está a ser trabalhada uma forma de poder resolver este problema, afirmando que Guimarães quer “ter uma palavra ativa na definição das políticas nacionais de apoio às artes”. "Continuamos a apostar seriamente, com convicção, porque acreditamos no que ali está (CIAJG)”, disse.

Domingos Bragança acrescentou que as declarações de Pedro Adão e Silva foram de âmbito nacional, centrando a questão na possibilidade de os principais monumentos vimaranenses, nomeadamente o Castelo de Guimarães, o Paço dos Duques de Bragança e o Museu Alberto Sampaio poderem vir a ser geridos centralmente.

“É inadmissível, foi isso que disse ao ministro”, frisou o presidente da Câmara, acrescentando que no seu entender estes monumentos deveriam ser geridos localmente: “Esta receita resolvia o problema dos equipamentos culturais e fazia toda a diferença para Guimarães”. Bragança terminou, dizendo que “este pensamento centralista não é bom”. “É algo que não podemos aceitar para Guimarães”, concluiu.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73