skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
24 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Guimarães integra consórcio de cidades com vista à neutralidade carbónica

Redação
Ambiente \ quarta-feira, dezembro 20, 2023
© Direitos reservados
Cidade-berço é uma das 49 novidades na Urban Transitions Mission, plataforma que visa o combate às emissões de dióxido de carbono nas cidades, através de energias renováveis ou soluções digitais.

Guimarães é uma das 49 novas cidades a integrar a Urban Transitions Mission (UTM), reforçando o seu compromisso com a criação de um caminho rumo a um futuro sem emissões. A decisão, anunciada durante a COP28, decorrida nos Emirados Árabes Unidos, duplicou assim o número de participantes neste consórcio internacional, cujo objetivo passa pela criação e teste de soluções inovadoras para uma transição urbana holística e centrada nas pessoas, vinca a nota de imprensa da Câmara Municipal de Guimarães. Refira-se que, além da cidade-berço, esse lote inclui Braga e Vila Franca de Xira, passando a iniciativa agora a contar com quatro municípios portugueses – Cascais já fazia parte.

As novas cidades do grupo terão assim a oportunidade de estabelecer ligações, trocar ideias e conhecimentos entre si e com as 48 restantes cidades que já estão a trabalhar com a UTM. Com o apoio dos parceiros e organizações da Aliança Global de Inovação (GIA), os municípios das cerca de 100 cidades vão receber assistência para fortalecer as suas estratégias climáticas, colaborar para a visão da neutralidade carbónica e acelerar a implementação de medidas de sustentabilidade.

A partir de 2024, as cidades que aderirem à UTM darão prioridade a projetos centrados nas infraestruturas energéticas, na eficiência e em ambientes de baixas emissões, a fim de criar vias para alcançar a neutralidade carbónica. Entre as novas cidades, 23 irão explorar o potencial das fontes de energia renováveis, 10 centrar-se-ão em soluções digitais e 22 irão procurar soluções integradas de emissões zero para a mobilidade. Por fim, as restantes 29 cidades irão desenvolver soluções no domínio do desenvolvimento e da regeneração urbanos, incluindo o desenvolvimento rural e urbano integrado, a utilização sustentável dos solos, a pobreza urbana e o acesso à energia como caminhos prioritários.

Desde o início de 2023, a UTM ajudou as 48 cidades participantes no projeto a avançar no seu percurso de descarbonização, trabalhando para uma redução coletiva prevista equivalente a 21,6 megatoneladas de dióxido de carbono. Até 2030, essa plataforma espera contar com um grupo adicional de 250 cidades, inspirando diversas regiões de todo o mundo a embarcarem nesta jornada rumo à descarbonização, acrescenta a nota da autarquia.

Para Sofia Ferreira, vereadora do Ambiente e Ação Climática da Câmara Municipal de Guimarães, “integrar o consórcio da UTM reforça ainda mais o compromisso de Guimarães com a adoção de estratégias para alcançar a neutralidade climática até 2030”. E continua: “Em cooperação com os restantes membros deste grupo, procuraremos identificar e desenvolver novas formas e benefícios de tirar proveito de energias limpas, de forma a conduzir esta transição e criar impacto em todo o mundo, rumo à transição urbana holística e centrada nas pessoas”.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73