skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
02 fevereiro 2023
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

PS tem maioria absoluta, esquerda perde representação e CDS desaparece

Redação
Política \ segunda-feira, janeiro 31, 2022
© Direitos reservados
Um gráfico interativo para ver as variações de mandatos. Noite de 30 ditou um PS com maioria absoluta, com o Chega a ser a nova terceira força. Abstenção baixa em comparação a 2019.

Ao contrário do que muitas opiniões palpitaram, a luta renhida entre PS e PSD não aconteceu. Pelo país fora, o sentido de voto dos portugueses apontou para a esquerda e o Partido Socialista conseguiu mesmo alcançar a maioria absoluta com 41,68% dos votos, uma margem folgada em relação ao PSD que atingiu 27,93%.

No que diz respeito à terceira posição mais bem votada do país, sobe ao pódio o Chega, com 7,15% dos votos (12 mandatos), seguido do Iniciativa Liberal que passa a ter representantes no Parlamento (8) com com 4,98%, Bloco de Esquerda com 4,45% e PCP-PEV, com 4,36%

A CDU e o Bloco de Esquerda perdem, juntos, cerca de 345 mil votos e reduzem a sua expressão parlamentar, mas também CDS e PAN têm uma noite eleitoral difícil. Se o primeiro conseguiu manter a representação parlamentar atrvés da eleição de Inês Sousa Real, os centristas estão mesmo fora do Parlamento.

António Costa garante que não pisará o risco de uma maioria absoluta e que manterá o diálogo ao longo de toda a legislatura. "Esta será necessariamente uma maioria de diálogo. Queremos governar com todos os portugueses e com todos os que os representam no parlamento". 

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #43