skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
03 dezembro 2022
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Comboio entre Guimarães e Braga leva 1h32. PCP reclama na AR ligação direta

Pedro C. Esteves
Sociedade \ quarta-feira, junho 29, 2022
© Direitos reservados
Comunistas levam novamente o assunto à Assembleia da República. O partido diz ainda que a ideia de um metro de superfície no Quadrilátero veio criar "ruído e confusão" e defendem "reforço" na CP.

O Partido Comunista Português voltou a apresentar na Assembleia da República um projeto de resolução “pela melhoria do transporte ferroviário" no distrito e reclama a concretização da ligação direta entre Braga e Guimarães -- algo que o partido defende "há muitos anos".

Os comunistas lembram que a viagem entre as duas cidades continua a obrigar a trocar de linha em Lousado (Famalicão). Com o transbordo, em média, "a viagem ferroviária entre Braga e Guimarães demora uma hora e trinta e dois minutos".

"Importa recordar que existe uma forte deslocação entre as duas cidades, quer para quem trabalha, quer para quem estude. Registe-se que a Universidade do Minho tem um Campus em Guimarães. Além da Universidade do Minho, existem outros serviços e atividades económicas que envolvem muitos trabalhadores e implicam ligações constantes entre os dois concelhos", informou o PCP na conferência de imprensa da Organização Regional de Braga que contou com a presença do vimaranense Torcato Ribeiro.

No projeto de resolução que deu entrada na Assembleia da República, o partido recomenda também que a articulação do transporte ferroviário com os transportes rodoviários seja melhorado -- "especialmente nas estações e apeadeiros mais distantes dos centros urbanos".

Os poucos avanços no sentido de modernizar da linha do Minho, acena o PCP, são também "exemplo flagrante da falta e atraso do investimento": "Só recentemente [a modernização] foi iniciada e já se depara com atrasos em relação à calendarização estipulada".

Metro de superfície? "Ruído e confusão"

O PCP aborda ainda a ideia defendia pelos autarcas dos municípios que compõem o Quadrilátero Urbano – Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães – de construir de um metro de superfície que una os quatro concelhos. "Com esta proposta de opção pelo investimento num metro de superfície em alternativa ao comboio, os presidentes de câmara em causa apenas vieram contribuir para criar mais ruído e confusão. É, também, mais uma proposta de Parceria Público Privada ao invés da promoção do reforço das empresas públicas, no caso a CP", lê-se.

A nota conclui com os comunistas a recordarem "meios excecionais" à disposição do Governo através da bazuca europeia e a reclamar "como prioridade, a concretização da ligação ferroviária  direca entre os concelhos de Braga e de Guimarães e, depois o fecho da malha ferroviária com uma linha de concordância para Barcelos".

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #38