skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
22 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Toural acolhe Passagem de Ano. Mesmo com tenda, ancora “dinâmica de cidade”

Tiago Mendes Dias
Cultura \ quinta-feira, dezembro 28, 2023
© Direitos reservados
Mesmo sem previsão de chuva para a noite que brinda a 2024, a incerteza meteorológica ditou instalação de tenda no Toural. Vereador considera opção superior ao Multiusos por alimentar cidade em redor.

A decisão foi adiada o mais possível, mas a noite de Passagem de Ano vai mesmo realizar-se pela primeira vez no Toural, ao abrigo de uma tenda. Depois de um final de 2022 com condições climatéricas sujeitas a alerta vermelho, forçando o adiamento do programa de boas-vindas a 2023, também no Toural, para o Dia de Reis, Guimarães vai poder brindar a 2024 naquela praça emblemática; fá-lo à boleia de um cartaz que reúne os DJ set de Insert Coin, entre as 22h45 e as 00h15, de Diego Miranda, entre 00h15 e as 02h00, e de André Alves, entre as 02h00 e as 04h00, numa organização conjunta do município e da Associação Vimaranense de Hotelaria.

“Previmos isto antecipadamente. A tenda já começou a ser montada. Protelámos o mais possível essa decisão, porque gostávamos da passagem de ano no Toural com a beleza natural da praça. Com o aproximar do dia, a empresa com a qual estamos a organizar o programa colocou-nos a questão de forma mais insistente, porque tínhamos mesmo de tomar a decisão, se bem que as previsões meteorológicas até nos dizem que, na hora da passagem de ano, não vai estar a chover”, adiantou Paulo Lopes Silva, vereador municipal para a cultura, à margem da reunião quinzenal do executivo, decorrida nesta quinta-feira.

Mesmo com a possibilidade de chuva no horizonte, a Câmara considerou sempre o Toural uma opção superior ao Pavilhão Multiusos, equipamento municipal gerido pela régie-cooperativa Tempo Livre. Além de considerar difícil compatibilizar, logisticamente, a realização da Passagem de Ano com o espetáculo “Panda e os Caricas”, agendado para 30 de dezembro, o vereador frisou que aquele equipamento obrigaria praticamente toda a gente a deslocar-se em carro individual, ainda por cima numa noite festiva e, por isso, propensa “a exageros” no que respeita ao consumo de álcool.

Outra razão para se descartar o Multiusos tem a ver com a “dinâmica da cidade”, reconheceu. Importante para atrair público de fora do concelho e para dinamizar a restauração e a hotelaria, o pavilhão perde para o Toural quando se espera que um público oriundo de Guimarães e das áreas circundantes. “Muita gente opta por jantar em casa e, depois, juntar-se para a passagem de ano. É uma festa de rua, no centro da cidade. Ao levá-la para o Multiusos, perderíamos essa dimensão”, vincou.

 

Aposta no Toural é “para manter”

O Toural serve assim como epicentro de uma festa que se estende a demais ruas e praças da cidade, algo a seu ver percetível na festa do Dia de Reis, no início deste ano; os bares de Santiago e da Oliveira, anfiteatros da Passagem de Ano no período pré-pandemia, continuaram a faturar, mesmo com o coração da festa no Toural. “[O Toural] é seguramente melhor para todos, incluindo os comerciantes das praças onde a passagem de ano acontecia. Quem estava na passagem de ano na Oliveira e em Santiago percebia que as praças ficavam tão saturadas ao ponto de ser impossível o acesso aos bares. O negócio até acabava por baixar”, aponta.

Mesmo com a tenda, este formato da Passagem de Ano possibilita a circulação pela cidade em redor, hoje mais preparada para este evento do que há uma década. “No Multiusos, todas essas praças ficariam esvaziadas, o que iria contrariar a sensibilização que temos vindo a fazer, juntamente com a AVH, para os restaurantes estarem abertos nessa noite. Há 10 anos, os restaurantes estavam habituados a fechar. Hoje felizmente temos muita oferta”, acrescenta o vereador.

Paulo Lopes Silva defende, por isso, que a mudança da Passagem de Ano para o Toural é “uma melhoria significativa” face ao período em que a festa se concentrava na Oliveira e em Santiago. Apesar de “considerar todas as possibilidades” e de não excluir “a hipótese de mudar” em caso de “alternativa superior ou diferenciadora”, a aposta no Toural “será para manter”.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73