skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
25 fevereiro 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Dia de Portugal?

Amaro das Neves
Opinião \ domingo, julho 24, 2022
© Direitos reservados
(...) Ainda não consegui encontrar, na factualidade histórica, argumentos suficientemente sólidos para sustentar a ideia de que Portugal se tenha tornado, já em 1128, num Estado independente.

Ao formular o princípio da conservação da matéria, Lavoisier cunhou a famosa expressão “na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, que se aplica a quase tudo, mas que ainda tenho dificuldade em aplicar à História, por ser obra humana onde não faltam exemplos do que de novo se cria, nem do que se julgava perdido e que ressurge, sem que necessariamente se transforme. Está nesse caso a velha demanda vimaranense do 24 de junho para Dia de Portugal.

Em 2008, circulou um abaixo-assinado que reclamava a transferência para 24 de junho do “dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”, e uma ampla maioria da Assembleia Municipal de Guimarães subscreveu a ideia, dando-lhe dimensão institucional. O anunciado objetivo de transformar esta vontade num desígnio nacional não se cimentou, vingando o juízo de que seria uma emanação da paixão bairrista. Na discussão pública que então se gerou em Guimarães, os que questionavam alguns detalhes da proposta, como a ideia peregrina de se passar a celebrar o autor de Os Lusíadas a 24 de junho, eram acusados de falta de vimaranensismo.

Não faltou quem viesse à liça com outras datas para a celebração da independência da independência: 16 de fevereiro (1267 — Tratado de Badajoz), 6 de abril (1383 — aclamação do Mestre de Avis pelas Cortes de Coimbra), 23 de maio (1179 — Bula Manifestis Probatum), 25 de julho (1139, Batalha de Ourique), 14 de agosto (1385 — Batalha de Aljubarrota), 12 de setembro (1297 — Tratado de Alcanises), 5 de outubro (1143 — Tratado de Zamora). E também não faltou quem recordasse que o mais antigo dos feriados nacionais portugueses, o 1.º de Dezembro, já celebra a independência.

Pela parte que me toca, não subestimo a relevância do simbolismo de S. Mamede como o dia inicial português e defendo que o 24 de junho deve ser assumido como o começo da caminhada de Portugal rumo à independência, mas ainda não consegui encontrar, na factualidade histórica, argumentos suficientemente sólidos para sustentar a ideia de que Portugal se tenha tornado, já em 1128, num Estado independente.

Em 2008, o processo não correu bem, em larga medida porque não se conseguiu dar-lhe dimensão nacional. Sendo matéria da Assembleia da República, nunca chegou a ser apresentado um projeto de lei que consagrasse o 24 de junho no calendário nacional e, por uma coincidência infeliz, naquele mesmo ano, rebentou a crise que trouxe consigo a troika e a eliminação de feriados. A demanda deixou de ser politicamente correta.

Passada uma década, a ideia seria retomada. Em março de 2019, foi lançada nova petição pública para elevar o 24 de junho a feriado nacional e a Dia de Portugal. A sua fundamentação peca por ser manifestamente descuidada. Logo nas primeiras linhas, afirma que os países do Ocidente “quase sempre escolheram, para o dia da Nação, a data da sua independência”, o que não é verdade. Na União Europeia há meia dúzia de países cujo dia nacional coincide com o dia da independência (ou da sua restauração). As nações ocidentais com mais história assinalam outras datas: a França, a Tomada da Bastilha; a Espanha, a chegada de Colombo à América; a Itália, a libertação do nazismo; a Alemanha a queda do Muro de Berlim; os Países Baixos, o aniversário da rainha; a Bélgica, a entronização de Leopoldo I; a Inglaterra, o dia de S. Jorge, etc.

Os promotores da petição afirmavam-se certos de que o 24 de junho encontraria “apoio numa larga maioria de portugueses”. Até ao momento em que fecho este texto, recolheu umas modestas 348 assinaturas. Em 2021, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado, matou o assunto com uma expressão singela: “há aqui uma pretensão de Guimarães”. De Guimarães, disse, não do país.

O voluntarismo apaixonado nem sempre é amigo do rigor. Uma proposta desta natureza carece de ser precedida de estudos que a fundamentem e encontrem respostas para superar as dificuldades que se antecipam. Eis algumas:

a) a manifesta falta de consolidação nacional da ideia do 24 de junho como dia fundador;

b) a estabilidade dos símbolos nacionais (bandeira, hino, dia), que permanecem inalterados desde a sua instituição, há mais de um século;

c) o facto de, em Portugal, nenhum feriado municipal coincidir com feriado nacional, o que cria um dilema aos 34 concelhos que festejam o seu feriado municipal a 24 de junho: procurar uma nova data ou ficar com um feriado a menos?

Se não é certo que a história se repete, podemos aprender com ela, para não repetirmos erros do passado. Ao que vejo por estes dias, não temos aprendido o suficiente.

Que é feito da palava de ordem que diz que “aqui as batalhas são para vencer”, se há batalhas para que partimos sem munições bastantes para as vencer?

António Amaro das Neves

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #67