skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
29 junho 2022
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

O papel do Programador e a sua relação com a Política Cultural

José Bastos
Opinião \ sábado, março 12, 2022
© Direitos reservados
Para o decisor político, só um exercício de poder sustentadamente estratégico e convictamente esclarecido consegue criar condições para que se cumpra o serviço público.

Para o programador, só o reconhecimento e o respeito pelas fronteiras das suas competências e atribuições permite construir as bases de uma programação de serviço público.

Um qualquer projeto cultural exige que a sua base esteja cimentada numa visão política e estratégica de quem tem o poder decisório. Por um lado, só um poder sustentadamente estratégico e convictamente esclarecido consegue criar condições para que se cumpra o serviço público, sem interferências casuísticas a propósito deste ou daquele interesse, com uma cumplicidade partilhada no que concerne a duas questões essenciais: o conhecimento do ponto de partida e a partilha do objetivo de chegada. Por outro lado, só o reconhecimento e o respeito pelas fronteiras das suas competências, atribuições e limites permite ao programador construir as bases de uma programação de serviço público.

Mas o que é isso de programação de serviço público?

A primeira abordagem, sem conseguir abandonar por completo a abordagem teórica, situa-se ao nível da utopia no que concerne ao âmbito dos fruidores das propostas que uma programação artística disponibiliza. Citando de cor a ex diretora do Teatro Municipal de Bragança, Helena Genésio, quando questionada sobre o pretenso elitismo da sua programação, diria que se elitismo significa qualidade, desejo elitismo para todos.

Perseguindo o desiderato desta contradição, procura-se a sustentação cultural através do objetivo traçado para prossecução de uma missão.

Por definição, o programador deve assegurar a sustentação cultural pela presença da convicção do trabalho desenvolvido no campo da programação e da criação artística. Assegurar sustentabilidade significa disponibilizar propostas artísticas de forma regular e com abrangência de área e género. Sustentabilidade significa que o programador está munido de convicções e de conhecimentos para executar a tarefa em apreço, significa que o programador é um mediador entre o objeto artístico e o público, significa que o programador está ao serviço da mediação e não se serve dela para outros fins que não o de tentar utilizar os recursos disponíveis para aproximar e colocar em diálogo o sujeito (público) e o objeto (obra). A adequação da programação, em função do conhecimento e interpretação do território, potencia a sustentação do projeto, consolidando relações e favorecendo a apropriação. Sustentação programática é dar primazia ao objeto artístico, em detrimento de lógicas meramente economicistas, numéricas, gosto pessoal ou lobby. Sustentação é propiciar uma proximidade relacional entre o público e a arte.

Sustentação é formação; é criação, é diálogo, é divergência; é convergência; é ter opinião; é fazer opinião; é ouvir; é não hesitar; é avançar humildemente; é recuar orgulhosamente; é gerir tensões; é ousar.

Sustentação é tudo isto e muito mais, desde que utilizado como veículo e como forma de veicular a aproximação do público às artes e à cultura no seu conceito mais humanista – ao serviço do homem.

Sustentação é, ainda, dar condições para que todos possam ter acesso a um exercício de cidadania pleno.

Sustentação é estar ao serviço do projeto e, consequentemente, estar ao serviço da Política Cultural.

Não se pode estar, não estando!

Não estando, não se pode estar!

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: Guimarães em Debate #32