skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
19 maio 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Uma tabuleta e uma escola

Amaro das Neves
Opinião \ domingo, fevereiro 19, 2023
© Direitos reservados
Da conjugação da inteligência e da vontade política das sucessivas equipas reitorais e da sociedade e dos políticos vimaranenses, começou a ser cumprido o sonho de Guimarães ter uma universidade

A criação da Universidade do Minho, em 1973, no âmbito da reforma do ensino superior concebida por Veiga Simão, foi acolhida discretamente em Guimarães. Por aqueles dias, a Sociedade Martins Sarmento limitava-se a “pugnar pela criação em Guimarães de uma Faculdade Tecnológica” e “ventilar a criação de uma Faculdade de Letras e Ciências Sociais”, e as preocupações da Câmara Municipal centravam-se em ver cumprida a promessa de uma escola de enfermagem.

Contestado pelas forças mais conservadoras das velhas universidades, o processo de criação da Universidade do Minho seria condicionado por tensões locais. Vozes bracarenses defendiam que, tal como as outras, a instituição deveria ter o nome de uma cidade. Universidade de Braga, portanto. Em Guimarães, invocando-se a dinâmica industrial e comercial da sua região, que se refletia na receita fiscal que aí se gerava, reivindicava-se a instalação da universidade em território vimaranense.

A Comissão Instaladora (CI) presidida por Carlos Lloyd Braga, investida no dia 17 de Fevereiro de 1974, seria confrontada com poderosos jogos de influência junto do poder central, em que sobressaíam o deputado Duarte do Amaral, do lado de Guimarães, e o comendador Santos da Cunha, por Braga.

Após o derrube da ditadura, as discussões prosseguiram, assim como a resistência do status quo universitário, em que se destacou o historiador Vitorino Magalhães Godinho, Ministro da Educação e Ciência no I Governo Provisório, que opunha à criação de novas universidades a capacidade das existentes se reformarem, defendendo que a concentração de meios seria preferível à sua dispersão.

No início de 1975, quando Santos Simões passou a integrar a CI, já não se discutia a existência nem o nome da Universidade do Minho. O debate centrava-se na localização das instalações definitivas. Em Braga ou em Guimarães? Em Braga e em Guimarães?

A opção da comissão instaladora foi a da criação de uma universidade concentrada num único campus. Encomendou um estudo, de que resultou um mapa com 24 manchas de terreno. A CI foi unânime em optar pela mancha 5, um terreno com 60 hectares situado na margem esquerda do rio Ave, a jusante da ponte das Taipas, com condições para acolher um campus universitário moderno e com potencial para afirmar o eixo Braga-Guimarães como uma nova área metropolitana. Mas essa opção encontrou resistências em Braga (afinal, as Taipas ficam em território vimaranense) e, estranhamente, em alguns setores de Guimarães. Ignorando os argumentos da CI, o ministro da Educação do VI Governo Provisório, Coronel Vítor Alves, decidiria, salomonicamente, que a Universidade do Minho ia ser do “tipo bipolar”, com os cursos de engenharia em Guimarães e os restantes na cidade de Braga.

Em vez de uma universidade, Guimarães apenas teria direito a uma escola, o que foi lamentado por Santos Simões, quase duas décadas depois, no memorável discurso que proferiu na homenagem que a Universidade do Minho lhe fez:

“Guimarães, da Universidade tem apenas uma tabuleta, e uma Escola extremamente prestigiada, mas votada a um isolamento científico que em nada contribuiu para a sua afirmação universitária.”

As suas palavras seriam, finalmente, escutadas. O mestrado em História das Populações e a criação do curso de Geografia e Planeamento já abriam o caminho. Da conjugação da inteligência e da vontade política das sucessivas equipas reitorais e da sociedade e dos políticos vimaranenses, começou a ser cumprido o sonho de Guimarães ter uma universidade, que hoje conta com uma oferta de 19 licenciaturas, distribuídas por dois campi (Azurém e Couros) e diversas áreas científicas e artísticas.

A Universidade do Minho, “a primeira universidade portuguesa que tem o nome de uma região e não de uma cidade”, como notou o seu primeiro reitor, completa 50 anos no dia 11 de agosto de 2023. No dia seguinte, cumpre-se o centenário do nascimento de J. Santos Simões. Dois dias para Guimarães lembrar.

Da conjugação da inteligência e da vontade política das sucessivas equipas reitorais e da sociedade e dos políticos vimaranenses, começou a ser cumprido o sonho de Guimarães ter uma universidade

No início de 1975, quando Santos Simões passou a integrar a CI, já não se discutia a existência nem o nome da Universidade do Minho. O debate centrava-se na localização das instalações definitivas. Em Braga ou em Guimarães? Em Braga e em Guimarães?

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73