skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
18 abril 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

Conferência das Partes da Convenção-Quadro das NU sobre Alterações Climáticas

Nuno de Vieira e Brito
Opinião \ sexta-feira, novembro 18, 2022
© Direitos reservados
De 6 a 18 de novembro, dignatários e autoridades de todo o mundo, juntamente com ativistas do clima, representantes da sociedade civil e CEOs estão reunidos na cidade costeira egípcia de Sharm el-Sheikh para o maior encontro anual sobre ação climática.

A 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas - COP27 - baseia-se nos resultados da COP26 para levar a cabo ações numa série de questões críticas para enfrentar a emergência climática - desde a redução urgente das emissões de gases com efeito de estufa, a construção de resiliência, e a adaptação aos impactos inevitáveis das alterações climáticas, até ao cumprimento dos compromissos de financiamento da ação climática nos países em desenvolvimento.

Confrontados com uma crise energética crescente, concentrações recorde de gases com efeito de estufa, e o aumento de fenómenos climáticos extremos, a COP27 procura renovar a solidariedade entre países, para cumprir o Acordo de Paris, marco histórico para as pessoas e para o planeta.

Torna-se cada vez mais relevante o contributo de todos para reduzir as emissões e abrandar o ritmo do aquecimento global, mesmo através de medidas simples, como plantar ou preservar árvores à volta da casa para manter as temperaturas mais frias no seu interior, proceder à limpeza dos arbustos ou áreas envolventes permitindo reduzir os riscos de incêndio ou, no num contexto empresarial, pensar e a planear possíveis riscos climáticos, tais como dias quentes de forma a impedir tarefas externas.

Dada a escala das alterações climáticas, e o facto de afetarem muitas áreas da nossa vida, a adaptação a estas alterações precisam de ter lugar a uma maior escala, tornando as nossas economias e sociedades mais resilientes, nomeadamente na assunção de politicas que intervenham em infraestruturas que se ajustem às características orográficas de cada região.  Prevê-se, mesmo, que algumas comunidades poderão ter de se mudar para novos locais, dado ser demasiado difícil a adaptação, o que aliás já está a acontecer em alguns países insulares que enfrentam mares em ascensão.

Outra dimensão relevante é o NET zero, com o objetivo de redução das emissões de gases com efeito de estufa para o mais próximo possível de zero, com emissões remanescentes reabsorvidas da atmosfera, pelos oceanos e florestas. Para evitar os piores impactos das alterações climáticas e preservar um planeta habitável, o aumento global da temperatura tem de ser limitado a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, considerando que presentemente, a Terra já está cerca de 1,1°C mais quente do que no final do século XIX e as emissões continuam a aumentar. Para manter o aquecimento global a não mais de 1,5°C - tal como exigido no Acordo de Paris - as emissões precisam de ser reduzidas em 45% até 2030 e atingir o zero líquido até 2050.

Assim, a transição para um mundo net-zero exige uma transformação completa da forma como produzimos, consumimos e nos movimentamos. O sector energético é hoje a fonte de cerca de três quartos das emissões de gases com efeito de estufa e detém a chave para evitar os piores efeitos das alterações climáticas. A substituição de carvão poluente, gás e petróleo por energia proveniente de fontes renováveis, como a eólica ou solar, reduziria drasticamente as emissões de carbono. Todavia, quer em ações e resultados, encontramo-nos muito aquém do que é necessário, obrigando todos os países, segundo o Pacto Climático de Glasgow, a revisitar os seus planos e intensificar as contribuições nacionais (CND) na redução das emissões.

As alterações climáticas estão, ainda, a desempenhar um papel cada vez mais importante no declínio da biodiversidade, alterando os ecossistemas marinhos, terrestres e de água doce em todo o mundo. Causou a perda de espécies locais, aumentou as doenças, e conduziu à mortalidade em massa de plantas e animais, resultando nas primeiras extinções induzidas pelo clima. As temperaturas mais elevadas forçaram os animais e as plantas a deslocarem-se para elevações ou latitudes mais elevadas, muitos deslocando-se em direção aos pólos da Terra, com consequências de grande alcance para os ecossistemas. O risco de extinção de espécies aumenta com cada grau de aquecimento.

 Por estas e muito mais razões, estas reuniões são decisivas e retirando, muitas vezes, algum excesso de manifestações e exibições, uma análise séria e científica e um compromisso global tornam-se determinantes para o Futuro do Planeta.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: