skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
04 outubro 2023
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

“Contribuímos de forma significativa para o bem-estar das pessoas”

Pedro C. Esteves
Cultura \ terça-feira, dezembro 27, 2022
© Direitos reservados
Tiago Oliveira trabalha no Hospital da Senhora da Oliveira Guimarães (HSOG) há 20 anos.

Assumiu há um ano a direção da Casa do Pessoal do Hospital de Guimarães, associação sem fins lucrativos que promove o convívio e bem-estar dos profissionais de saúde. A equipa do também responsável pelo Centro de Formação do HSOG e vice-presidente da Associação Portuguesa dos Centros de Formação do SNS fez crescer o número de sócios e aposta na proximidade e dinamismo para alavancar a instituição com 30 anos.

A Casa do Pessoal fez 30 anos no mês de outubro e há um longo percurso que nos traz até aqui. Como começou tudo isto?

A Casa do Pessoal do Hospital surgiu em 1992. Na altura, o Hospital de Guimarães mudou de instalações e o quadro do pessoal aumentou. Surgiu a necessidade de aproximar as pessoas. Um conjunto de profissionais lançou a ideia de criar uma associação para promover o convívio entre as pessoas que trabalham dentro de um grande hospital.  É constituída maioritariamente por profissionais no ativo – enfermeiros, médicos, auxiliares, administrativos e técnicos – e todas aquelas pessoas que em algum momento da vida tiveram um vínculo com o HSOG.

 

O convívio é o grande domínio de atuação?

É mesmo a palavra-chave. Realizamos atividades para promover a ligação entre as pessoas. Cultura, desporto, formação, solidariedade são domínios onde desenvolvemos atividades. Em 2023 vamos trazer novas iniciativas: workshops de dança, rally paper, viagens, o arraial de São Martinho, celebração do Carnaval, entre outras. Sentimos que é necessário aproximar pessoas à cultura e também trazermos a arte para dentro do hospital, com exposições e conversas com autores. Fizemos as comemorações dos 30 anos em outubro passado, e num jantar de gala conseguimos juntar 200 pessoas. Evidenciou-se a amizade o carinho que as pessoas têm pela associação.

 

A expressão “cuidar de quem cuida” aparece várias vezes associada à Casa do Pessoal. Porquê?

Cuidar de quem cuida acaba por ser uma frase que caracteriza a nossa ação, é quase um slogan. Nós, como profissionais do HSOG, temos uma vida para além da vida profissional. Queremos contribuir da melhor forma possível para o bem-estar da comunidade que servimos – até porque quanto mais motivadas as pessoas estiverem, melhor vai ser o desempenho profissional no hospital. Se nós contribuirmos de forma significativa para isso, a prestação de cuidados de saúde também vai ser mais humanizada. A comunidade que recebe os cuidados, estará, então, mais bem servida. Com a nossa ação contribuímos de forma significativa para o bem-estar das pessoas.

 

Há por isso a necessidade de a associação estar perto das pessoas. Isso acontece?

Temos de olhar para cada sócio como um indivíduo. Cada um tem necessidades diferentes, e é aí que nós atuamos. Tentamos satisfazer as necessidades de cada um. Em 2022, criámos uma bolsa de estudo de incentivo ao ensino superior, denominada Bolsa de Estudo Fernando Teixeira, que foi o primeiro presidente da direção da Casa do Pessoal do Hospital de Guimarães. O objetivo é mesmo dar esse apoio a quem decidiu ingressar agora no ensino superior ou tirar outra formação para além da que já tem. Somos uma associação sem fins lucrativos, o nosso contacto com os nossos associados é de certa forma informal. O formalismo afasta as pessoas. Dizemos que a nossa casa tem as portas abertas para toda a gente. Quem quiser nela entrar, está sempre à vontade.

 

Há mais gente a entrar nessa porta agora?

Sim. A Casa do Pessoal está com uma nova direção desde janeiro deste ano e desde então conseguimos um crescimento da comunidade associativa em cerca de 140%; estamos muito próximos de, até ao final do ano, chegarmos aos 700 sócios. Portanto, verifica-se que o projeto está a ser reconhecido pela comunidade que servimos. Temos de ter consciência que todo o trabalho que as outras direções tiveram foi o melhor que puderam fazer, as suas ações foram as que consideraram mais adequadas. Mas os tempos foram mudando e desenhámos um projeto que atendesse às necessidades do presente e trouxesse novas atividades e dinamismo para a Casa do Pessoal.

 

A direção do Tiago trouxe então mais dinamismo à Casa do Pessoal?

Notamos que agora as pessoas estão mais atentas. O crescimento no número de associados mostra que a nossa forma de atuação está a ser reconhecida pelas pessoas, estão satisfeitas com ela. Vemos as pessoas a chegar ao fim das atividades com gosto, estão mais motivadas, falam com os colegas, tentam atrair os colegas que ainda não são sócios para a associação, a participarem nas atividades. As pessoas notaram que dentro do Hospital há uma associação que se dedica à promoção do bem-estar das pessoas que cá trabalham. Um exemplo muito prático. Quando entramos no elevador e está lá alguém, dizemos bom dia e fica por ali. O objetivo é que nesses encontros se vá além, que se proporcione um momento de diálogo, de descontração. No fundo, é aproximar as pessoas. Quando estamos num local de trabalho e nos sentimos bem com os nossos pares, o nosso rendimento será muito superior ao que seria.

 

É esse trabalho que a Casa do Pessoal vai manter nos próximos tempos? Há algum objetivo ou necessidade premente a satisfazer?

Querermos dar continuidade ao conjunto de iniciativas que temos vindo a promover. Mas também melhorar o espaço físico da associação, no futuro, encontrar um espaço, até pode ser fora do hospital, para promover o convívio. Queremos também alargar a bolsa de estudo e para isso contamos com o mecenato; somos uma associação sem fins lucrativos, a nossa fonte de rendimento é a quotização de 1,5 euros por mês. Estamos a preparar a associação para concorrer a fundos europeus. O nosso propósito é ter conforto financeiro para apostarmos mais na satisfação das necessidades da comunidade que servimos.

 

Parcerias para “tornar a Casa atrativa”

A Casa do Pessoal do Hospital de Guimarães, sob a liderança de Tiago Oliveira, celebrou cerca de 60 parcerias só este ano. “O objetivo era tornar a Casa atrativa”, explica.

As parcerias abrangem domínios como a restauração, saúde, desporto, moda, educação ou imobiliário. Sem esquecer a cultura: qualquer associado da Casa do Pessoal tem descontos na aquisição de bilhetes para espetáculos de A Oficina.

A nova direção criou também um site onde é possível, de forma mais rápida e eficiente, a qualquer interessado, tornar-se sócio.

 

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #58