skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
20 julho 2024
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

O nascimento de um jornal

Luísa Alvão
Opinião \ quinta-feira, abril 01, 2021
© Direitos reservados
Quantos mais meios de comunicação, mais pluralidade na informação que, por sua vez, costuma resultar em melhor informação.

É sempre bom assistirmos ao nascimento de jornal – ainda mais, um jornal local de uma cidade da dimensão da nossa.

“O jornalismo está em crise” é uma frase que estaremos já cansados de ouvir – e, em tempos de crise, tendemos a ficar menos sensíveis com o que imaginamos ser os problemas dos “outros”. Não poderíamos estar mais enganados.

A crise do jornalismo é também a crise da democracia e, portanto, de todos nós e da nossa vida em sociedade. Podemos pensar nisto a uma escala global e na relação desta crise com este momento de pós-verdade que vivemos, mas por ora, olhemos para o nosso espaço mais próximo.

O jornalismo local não é só importante na medida em que reforça o nosso sentimento de comunidade e nos aproxima. É vital também para conhecermos melhor o território que ocupamos e as instituições que nele operam.  É vital também para a nossa vida política. Cabe aos jornalistas e aos meios de comunicação mediarem a nossa relação com os nossos representantes e governantes. Cabe-lhes também ajudarem-nos a desempenhar a nossa cidadania de forma informada, fiscalizando o trabalho dos nossos representantes políticos, traduzindo o discurso político, muitas vezes hermético, em linguagem que todos e todas possamos entender. É, também, através dos meios de comunicação, que ficamos a saber quais são propostas eleitorais dos diferentes partidos e que podemos perceber, posteriormente, se foram ou não cumpridas.

Nestes quase 13 meses de luta contra a pandemia provocada pelo novo coronavírus, percebemos melhor do que nunca a importância de termos acesso a informação de qualidade. A Internet, as redes sociais e a falta de responsabilização ou hierarquias dos seus conteúdos, dificultam o acesso a informação credível e validada cientificamente, porque se encontra inundada de ruído.  

Esta nova realidade leva-nos também a focar-nos mais no território em que vivemos. Precisamos mais do que nunca de informações locais, de perceber como a nossa comunidade está a ser impactada e saber ferramentas dispomos para melhor nos protegermos e nos ajudarmos mutuamente.

Resta-me saudar a coragem de quem não desiste perante a adversidade e que se lança à aventura de criar um novo projeto. E, até porque estamos em ano de eleições, o Jornal de Guimarães chega em boa hora. Quantos mais meios de comunicação, mais pluralidade na informação que, por sua vez, costuma resultar em melhor informação.

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: O Que Faltava #73