skipToMain
ASSINAR
LOJA ONLINE
SIGA-NOS
Guimarães
29 junho 2022
tempo
18˚C
Nuvens dispersas
Min: 17
Max: 19
20,376 km/h

25 de Abril sempre!

Álvaro Manuel Nunes
Opinião \ domingo, abril 24, 2022
© Direitos reservados
Neste 25 de Abril de 2022, o tempo é ainda de mais resiliência e responsabilidade pessoal e coletiva para encetarmos a luta pela cidadania ativa, face aos maus ventos mundiais que sopram belicamente.

Há muitos anos, no tempo em que o teu pai andava na escola, num país muito distante vivia um povo infeliz e solitário, vergado sob o peso de uma misteriosa tristeza. (). Esse país agora já não se chama País das Pessoas Tristes, chama-se Portugal e é o teu país. E o tesouro pertence a ti, és tu que agora tens que cuidar dele. (). Porque esta história não é uma história inventada. É uma história verdadeira, aconteceu mesmo. Pergunta os teus pais ou aos teus professores e eles contar-te-ão mais coisas sobre o País das Pessoas Tristes e sobre o Dia da Liberdade."

Este curto excerto, destinado aos mais novos, extraído do livro de Manuel António Pina, intitulado O Tesouro, conta um pouco dessa história do 25 de Abril de 1974, ocorrida há 48 anos, que merece ser lida, ou (re)contada àqueles que a (não) vivenciaram.

Com efeito, esta e outras histórias devem ser contadas e lidas aos mais novos, quer no seio familiar, quer na escola, como salvaguarda deste tesouro que se chama liberdade. De facto, tal como Era uma vez o 25 de Abril” de José Fanha, esta história da nossa realidade histórica, da qual somos personagens, tem de continuar a ser uma narrativa aberta, intemporal e atemporal e vivenciada como um Romance do 25 de Abril, que João Pedro Messeder tão bem conta e que José Jorge Letria historia no seu 25 de Abril contado às crianças e outros”. 

Realmente, quer como personagens. quer como narradores, como acontece em Vinte e Cinco a sete vozes” de Alice Vieira, que, num relato de sete pessoas de três gerações diferenciadas, contam as suas memórias de Abril, é imperioso dar voz a esse “dia inicial inteiro e limpo” que Sophia de Mello Breyner Andresen canta:

 

Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo

Onde emergimos da noite e do silêncio

E livres habitamos a substância do tempo

 

De facto, este e muitos outros textos literários permitem compreender que o 25 de Abril abriu muitas portas do país que estavam fechadas, como a da Descolonização, a da Democracia e a do Desenvolvimento, que eram os três“D”e objetivos da Revolução de Abril, ainda que várias outras continuem tão-somente entreabertas ou fechadas.

O poeta Ary dos Santos no seu poema As Portas que Abril abriufoi um desses vates que nos fala dessas portas e que nessa altura semearam a esperança:

 

()

Ora passou-se porém                                 Era a semente de esperança

que dentro de um povo escravo                     feita de força e vontade

alguém que lhe queria bem                           era ainda uma criança

um dia plantou um cravo.                              mas já era liberdade.()

 

Porém, “As portas que Abril abriu, que o poeta Ary dos Santos tão bem canta no seu (longo) poema homónimo, entreabririam apenas alguns limiares e nem todas as portas da liberdade foram abertas.

Realmente, há ainda muitas portas semicerradas e outros “D”, por cumprir como o da Desigualdade, o do Desemprego, o da Descentralização, o da “Descorrupção”, e de demais coisas e loisas como a Doença do Covid-19, entre vários “D’s” dos dias decorrentes, designadamente a demagogia.

Realmente, “Nesta Hora”, assim se intitula um outro poema de Sophia, (como aliás em todas as horas), é preciso dizer a verdade toda/Mesmo aquela que é impopular neste dia em que se invoca o povo/Pois é preciso ´que o povo regresse do seu longo exílio(…), pois, como acrescenta Meia verdade é como habitar meio quarto/Ganhar meio salário/Como só ter direito/A metade da vida

Com efeito, em muitos casos continua (ainda) a faltar muita coisa, pois, como canta Sérgio Godinho, só há liberdade a sério quando houver/a paz, o pão/ habitação/ saúde, educação”, situação que 48 anos depois não está completamente cumprida.

Ademais, neste 25 de Abril de 2022, o tempo é ainda de mais resiliência e responsabilidade pessoal e coletiva, não só para recuperarmos plenamente a liberdade agora mitigada, que nos obriga a continuarmos mascarados, mas também para encetarmos a luta e a ação em prol da cidadania ativa, face aos maus ventos mundiais que sopram belicamente.

Com efeito, só assim o sonho e a utopia de um mundo diferente, melhor e mais equilibrado (agora ameaçado pela guerra) terá pernas para andar em direção a um Abril “ainda por fazer”, como o canta Manuel Alegre:

 

Eu vi Abril por fora e Abril por dentro

vi o Abril que foi e Abril de agora

eu vi o Abril em festa e o Abril lamento

Abril como quem ri como quem chora.

 

Eu vi chorar Abril e Abril partir

vi o Abril de sim e Abril de não

Abril que já não é Abril por vir

e como tudo o mais contradição

 

Vi o Abril que ganha e Abril que perde

Abril que foi Abril e o que não foi

eu vi Abril de ser e de não ser.

 

Abril de Abril vestido (Abril tão verde

Abril de Abril despido (Abril que dói)

Abril já feito. E ainda por fazer..

 

Assim, não deixemos de salvaguardar o que já está feito e de lutar por o que está “ainda por fazer”. E 25 de Abril, sempre,  gritemos em plenos pulmões, como  no poema “A Cor da Liberdade “ de Jorge de Sena: “Não hei de morrer sem saber/Qual a cor da liberdade” …

Podcast Jornal de Guimarães
Episódio mais recente: Guimarães em Debate #32